Incêndios em Portugal

Reacendimento de "grande intensidade" preocupa operacionais em Vila Real

Loading...
Uma frente ativa arde numa área de mato do Parque Natural do Alvão, estando os meios a ser reforçados no terreno.

Uma frente ativa arde com bastante intensidade em área de mato do Parque Natural do Alvão (PNA), em Vila Real, estando os meios a ser reforçados no terreno, disse esta terça-feira o comandante distrital da Proteção Civil.

"Temos uma frente ativa a arder com bastante intensidade no planalto do Alvão, já em pleno PNA. Estamos neste momento a reforçar os meios, tendo em conta que não podemos fragilizar os outros setores deste teatro de operações, porque ainda temos alguns pontos quentes, tendo em conta a vasta área que o incêndio percorreu durante estes dias", afirmou Miguel Fonseca, comandante distrital de operações de socorro (CODIS) de Vila Real.

Segundo o site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, para este incêndio estavam mobilizados, pelas 18:00, 317 operacionais, 93 viaturas e cinco meios aéreos.

Esta manhã foi dado um alerta para um fogo junto à área percorrida pelo incêndio que deflagrou no domingo, na zona da Samardã, no concelho de Vila Real e que entrou em fase de resolução ao início da noite de segunda-feira.

Independentemente de se tratar de uma reativação ou de um novo incêndio, o CODIS afirmou que o objetivo "é debelar o quanto antes a frente ativa que arde com bastante intensidade em pleno coração do PNA".

O fogo lavra numa zona de mato e de fracos acessos, na área da aldeia de Lamas de Olo e apontadas como preocupações estão também o vento forte e as altas temperaturas. Muito do trabalho dos operacionais, segundo explicou Miguel Fonseca, está a ser feito de forma apeada.

"Neste momento, a aldeia não está efetivamente em risco, o que é facto é que nós temos essa situação já definida no planeamento de forma a colocarmos meios para priorizar o combate no flanco virado a Lamas de Olo e evitar que esse flanco se aproxime da aldeia".

Na envolvente da aldeia há muitos lameiros e na zona foram também realizadas, nos últimos anos, ações de fogo controlado, que criaram áreas de proteção à própria localidade. As próximas horas serão, segundo o CODIS, de "muito trabalho" quer no combate quer, depois, nas ações de consolidação.

Na segunda-feira, a cumeada da serra do Alvão foi uma das zonas que mais trabalho deu aos operacionais, tendo sido realizado trabalho pelas máquinas de rasto que fecharam as frentes combatidas durante o dia.

Para além dos bombeiros, GNR, elementos do ICNF, Proteção Civil distrital e municipal, no terreno estão também cerca de 20 militares do Exército empenhados essencialmente em operações de vigilância.

O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, aponta para uma área ardida neste incêndio, de acordo com dados ainda provisórios, na ordem dos 4.500 hectares, essencialmente de mato e algum pinhal.

Últimas Notícias
Mais Vistos