Jogos Olímpicos

Primeira atleta transgénero nos Jogos Olímpicos

O comité olímpico da Nova Zelândia fala num momento histórico para a modalidade e para o desporto.

Laurel Hubbard, de 43 anos é a primeira atleta transgénero nos Jogos Olímpicos. A neozelandesa conseguiu classificar-se na categoria feminina acima de 87kgs de levantamento de pesos e vai representar o país nos jogos de Tóquio. Porém, a sua entrada abriu o debate sobre a equidade no desporto.

As opiniões dividem-se, sobretudo na igualdade relativamente às restantes atletas da modalidade depois da Nova Zelândia ter classificado a primeira halterofilista transgénero para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

O Comité Olímpico da Nova Zelândia fala num momento histórico para a modalidade e para o desporto.

A atleta tornou-se elegível em 2015, após uma alteração de diretrizes.

As regras permitem que qualquer atleta transgénero possa competir como mulher desde que os níveis e testosterona estejam abaixo dos 10 nanomoles por litro, durante, pelo menos, 12 meses antes das competições.

Ainda assim, há quem fale numa decisão injusta suportada pela comunidade científica que garante que as diretrizes do Comité Internacional não prevêem uma série de variáveis que podem condicionar o desempenho dos atletas transgénero nas competições.

Veja também: