Jogos Olímpicos

Compositor da música de abertura dos Jogos Olímpicos renuncia após escândalo

Estádio Olímpico de Tóquio, Japão

Tamas Kovacs

A comissão organizadora de Tóquio 2020 decidiu aceitar a renúncia do compositor, qualificando as suas ações de "absolutamente inaceitáveis".

O compositor da música para a cerimónia de abertura de Tóquio 2020, Keigo Oyamada, anunciou esta segunda-feira a demissão da equipa criativa dos Jogos Olímpicos, devido ao escândalo gerado por entrevistas em que admitiu ter feito 'bullying' a colegas de infância.

Keigo Oyamada, de 52 anos, conhecido artisticamente como Cornelius, afirmou, em várias entrevistas publicadas entre 1994 e 1995 por uma revista japonesa, que tinha submetido colegas a atos degradantes, "sem qualquer arrependimento", incluindo alguns portadores de deficiência.

A comissão organizadora de Tóquio 2020 decidiu aceitar a renúncia do compositor, qualificando as suas ações de "absolutamente inaceitáveis", e pediu desculpa por, já depois de ter conhecimento das entrevistas, ter permitido a Keigo Oyamada continuar a trabalhar para a promoção do evento.

Oyamada pediu "sinceras desculpas" após o ressurgimento das suas polémicas declarações nas redes sociais, por "ter incomodado muitas pessoas" com as suas "ações extremamente imaturas", e os organizadores de Tóquio2020, apesar de considerarem o comportamento "impróprio", defenderam a continuidade do compositor na organização dos Jogos.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia