Perfil Olímpico

Perfil Olímpico. Mágico sobre rodas

Mário Cabrita

Mário Cabrita

Repórter de Imagem

Rui Félix

Rui Félix

Editor de Imagem

É número três do ranking mundial de skate e vai apresentar-se em Tóquio a olhar para o ouro.

Desliza com estilo, salta com precisão e com rapidez. É um Mágico sobre Rodas que começou nas ruas e chegou aos Jogos Olímpicos. Gustavo Ribeiro é número três do ranking mundial e vai apresentar-se em Tóquio a olhar para o ouro.

Depois de ano e meio a treinar isolado, foi aos Estados Unidos para participar na única prova que houve desde o início da pandemia. Acabou por sofrer uma lesão a cerca de dois meses dos Jogos Olímpicos.

Deixou a competição a pensar que podia ter caído por terra toda a preparação, só quando chegou a Portugal soube que podia recuperar sem ser operado. A fisioterapia devolveu-lhe o sonho Olímpico.

Depois de seis semanas longe do skate, Gustavo Ribeiro já vê a recuperação a correr sobre rodas. Voltou às manobras que parecem passos de magia. A técnica mantém-se intacta e agora é fazer a gestão entre o risco e o receio de voltar a cair.

O atleta é profissional de skate na vertente de street. Atua sobre obstáculos da arquitetura urbana que, normalmente, existem nas ruas – degraus, rampas, corrimãos, muros. Em competição lança-se numa pista artificial, mas, para crescer na modalidade, precisa de mostrar habilidades em habitat natural.

Pela primeira vez, o skate vai fazer parte de umas Olimpíadas. Ao segundo dia dos Jogos Olímpicos, Gustavo Ribeiro vai tentar desafiar com a máxima destreza os obstáculos que Tóquio vai apresentar.

ACOMPANHE O ESPECIAL JOGOS OLÍMPICOS

A SIC EM TÓQUIO

Veja mais perfis:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia