José Sócrates: O Confronto

José Sócrates: O Confronto

José Sócrates: O Confronto

João Lúcio

João Lúcio

Repórter de Imagem

Fernando Silva

Fernando Silva

Repórter de Imagem

Tiago Martins

Tiago Martins

Editor de Imagem

Jorge Costa

Jorge Costa

Editor de Imagem

Diana Matias

Diana Matias

Produtora Editorial

Ana Marisa Silva

Ana Marisa Silva

Produtora Editorial

Edgar Keats

Edgar Keats

Pós-produção áudio

A SIC apresenta a maior investigação judicial da democracia portuguesa. Uma reportagem que mostra um homem combativo, que confronta os investigadores com as fragilidades que encontrou na Operação Marquês. O ex-primeiro ministro, José Sócrates, é a figura central no processo.

Desde o primeiro dia que José Sócrates contesta a investigação: acusa-a de ser persecutória, desprovida de provaslenta a investigar e a acusar, fechada aos arguidos, mas exposta na comunicação social. José Sócrates foi interrogado três vezes.

A primeira, quando foi detido e as restantes em 2015 e 2017. São estes dois últimos interrogatórios que estão na Grande Reportagem. José Sócrates, O Confronto mostra um homem combativo, que confronta os investigadores com as fragilidades que encontrou no processo.

Drone: 4K Fly

Assistência à produção: Auly Ferreira

Colorista: José Dias e Rui Branquinho

Coordenação: Cândida Pinto, Isabel Horta e Marta Brito dos Reis

Direção: Ricardo Costa

Veja também:

O amigo do senhorio: uma viagem aos gastos de Sócrates

Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês - I

Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês - II

A conta 006 da Operação Marquês

  • Sócrates exalta-se quando fala sobre as férias
    1:50

    José Sócrates: O Confronto

    José Sócrates nunca negou que Carlos Santos Silva lhe pagava estadias e deslocações. Da conta bancária em nome do amigo saíram 390 mil euros para pagar férias e viagens com o ex-primeiro-ministro, amigos e familiares. Em maio de 2015, seis meses depois de ter sido detido, o Ministério Público ainda questionava esses pagamentos.

  • "O Sr. Procurador pretende lançar lama para cima das pessoas"
    1:14

    José Sócrates: O Confronto

    José Sócrates é suspeito de ter posto a sua influência política ao dispôr do Grupo Lena em vários concursos públicos. Um deles no caso da Parque Escolar. Entre 2009 e 2012, o grupo de Leiria ganhou 89 milhões em obras adjudicadas no programa de investimento escolar criado por Sócrates. Confrontado pelo procurador e inspetor tributário, o ex-governante nega ter exercido qualquer influência nos concursos.

  • "Desculpe a violência da palavra, achei isso uma manha sua"
    2:28

    José Sócrates: O Confronto

    No terceiro interrogatório, a 13 de março de 2017, José Sócrates já entrou no Departamento Central de Investigação e Ação Penal em liberdade. Nessa altura, parecia abandonada a suspeita que teria influenciado uma alteração no Programa Regional de Ordenamento do Território do Algarve a favor do empreendimento. Mantinha-se outra: a desconfiança que, em conluio com Armando Vara, então administrador da Caixa Geral de Depósitos, tivessem ganho 2 milhões de euros com a aprovação do financiamento a Vale do Lobo.

  • "Fui acusado de uma forma delirante de ser proprietário de 23 milhões..."
    1:55

    José Sócrates: O Confronto

    Há seis meses, José Sócrates e outros 27 arguidos foram formalmente acusados por suspeitas de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais. O Ministério Público afirma que o antigo governante recebeu 36 milhões de euros em troca de decisões favoráveis ao Grupo Lena, ao empreendimento Vale do Lobo e sobretudo ao grupo de Ricardo Salgado. Desde o primeiro dia que Sócrates rejeita publicamente todas as acusações mas é fundamental ver, ouvir e perceber como respondeu e se defendeu durante os interrogatórios a que foi sujeito. A SIC revela hoje os momentos mais marcantes desse Confronto.No segundo interrogatório a José Sócrates, o ex-primeiro-ministro voltou a ser confrontado pelo procurador Rosário Teixeira e pelo inspetor Tributário Paulo Silva, com as quantias que recebia de Carlos Santos Silva. Dinheiro depositado em contas na Suíça e transferido mais tarde para Portugal.

  • "Como é que se atrevem a dizer que eu fui corrompido pelo Dr. Ricardo Salgado?"
    2:08

    José Sócrates: O Confronto

    O terceiro interrogatório foi dominado pelo nome de Ricardo Salgado, aquele que é tido como o principal corruptor do ex-primeiro-ministro. Os investigadores concluíram que foi do Grupo Espírito Santo que José Sócrates recebeu a maior fatia de dinheiro, cerca de 29 milhões de euros. Dinheiro destinado a favorecer a posição do grupo de Salgado em negócios da PT. Transações em Portugal como a OPA da Sonae, a separação da PT multimédia, e no Brasil, com a venda da Vivo e a compra da OI.