José Sócrates: O Confronto

Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês - I

Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês - I

João Lúcio

João Lúcio

Repórter de Imagem

Fernando Silva

Fernando Silva

Repórter de Imagem

Tiago Martins

Tiago Martins

Editor de Imagem

Jorge Costa

Jorge Costa

Editor de Imagem

Diana Matias

Diana Matias

Produtora Editorial

Ana Marisa Silva

Ana Marisa Silva

Produtora Editorial

Edgar Keats

Edgar Keats

Pós-produção áudio

A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

Drone: 4K Fly

Assistência à produção: Auly Ferreira

Colorista: José Dias e Rui Branquinho

Coordenação: Cândida Pinto, Isabel Horta e Marta Brito dos Reis

Direção: Ricardo Costa

Veja também:

O amigo do senhorio: uma viagem aos gastos de Sócrates

Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês - II

A conta 006 da Operação Marquês

José Sócrates: O Confronto

  • Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês - II
    24:59

    José Sócrates: O Confronto

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.

  • José Sócrates irrita-se e grita com o Procurador
    3:02

    José Sócrates: O Confronto

    A acusação da Operação Marquês diz que o primeiro pagamento a José Sócrates, vindo do Grupo Espírito Santo, foi feito através do BES Angola. Os intermediários terão sido Hélder Bataglia, presidente da Escom, e José Paulo Pinto de Sousa, primo de Sócrates. Bataglia diz que foi apenas um empréstimo e que não sabia que o dinheiro tinha sido usado para fazer pagamentos alegadamente em favor do antigo primeiro-ministro.

  • Ricardo Salgado: "Devo dizer que nunca vi tanta mentira junta"
    2:20

    José Sócrates: O Confronto

    José Sócrates e Ricardo Salgado já negaram várias vezes terem uma relação próxima. Garantem, aliás, que até se desentenderam, pouco antes de Sócrates sair do Governo. O Ministério Público insiste que os dois foram aliados no condicionamento de vários negócios da PT, que geraram dezenas de milhões de euros de luvas. E usa uma escuta telefónica como prova, para contradizer a versão dos arguidos.

  • A nuvem opaca à volta da Zyrcan
    3:25

    José Sócrates: O Confronto

    Focada nos pagamentos, a Operação Marquês dedicou pouco tempo a olhar para a forma como se financiava a ES Enterprises, o alegado saco azul. Ainda assim, a Autoridade Tributária dedicou alguns parágrafos a descrever a forma como entrava o dinheiro que serviria depois para pagar luvas milionárias a figuras como José Sócrates, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro. Os muitos milhões vinham, sobretudo, de um veículo financeiro, que tinha lucros astronómicos em negócios com os clientes do GES.