Luanda Leaks

Depois da resposta de Miguel Relvas, Catarina Martins volta a acusar ex-ministro

Catarina Martins acusou Miguel Relvas de trabalhar nas empresas de Isabel dos Santos. O ex-ministro respondeu a exigir um pedido de desculpa e a líder do Bloco de Esquerda voltou a sustentar a acusação.

A coordenadora do Bloco de Esquerda acusou esta sexta-feira Miguel Relvas e outros ex-governantes portugueses de trabalharem nas empresas de Isabel dos Santos. Catarina Martins disse ainda que a proximidade entre Isabel dos Santos e os sucessivos Governos de Portugal deve ser investigada.


Miguel Relvas diz que Catarina Martins devia pedir desculpa

Numa nota enviada à SIC, o antigo ministro do Governo de Pedro Passos Coelho nega ter trabalhado com a empresária.

"A Deputada Catarina Martins mentiu ao associar-me às empresas da Engenheira Isabel dos Santos. Nunca trabalhei, directa ou indirectamente, com a Engenheira Isabel dos Santos.

Deve pois a Deputada Catarina Martins retratar-se publicamente e pedir desculpa pela mentira que hoje veiculou publicamente em relação a mim"

Catarina Martins responde a Miguel Relvas

A coordenadora do Bloco de Esquerda não tardou em responder ao político português. Numa publicação na rede social Twitter, Catarina Martins diz que Relvas foi administrador da Finertec, "empresa dirigida por responsáveis da Fundação José Eduardo dos Santos".

"Não me custa corrigir o erro. A acusação é a mesma", reforçou a coordenadora do Bloco.

Na mesma publicação, Catarina Martins partilhou uma investigação sobre a ex-empresa de Miguel Relvas, a Finertec, que estaria sob suspeita.

  • DGS teve parecer positivo para uso generalizado de máscaras

    Coronavírus

    Em Portugal a Covid-19 já fez 295 mortes e 11.278 infetados. Chegou este domingo a Lisboa um avião da TAP fretado com material médico oferecido pela China no valor de 4,5 milhões de euros. 53 portugueses foram repatriados da Indonésia e da Índia. Boris Johnson foi este domingo internado no hospital para exames, 10 dias após testar positivo para coronavírus.

    SIC Notícias