Qatar 2022

"Homossexualidade é um distúrbio mental": a polémica frase de um embaixador do Mundial do Qatar

"Homossexualidade é um distúrbio mental": a polémica frase de um embaixador do Mundial do Qatar
Toufik Doudou
Khalid Salman diz que “gays terão de aceitar as regras” quando se deslocarem ao país do Médio Oriente.

Um embaixador do Mundial de futebol Qatar 2022 classificou esta terça-feira a homossexualidade como um "distúrbio mental" e referiu que todos os que se deslocarem ao país para assistir ao vivo à competição “têm de aceitar as regras”.

"Muitas coisas vão acontecer aqui no país durante o Mundial. Vamos falar sobre gays. O mais importante é aceitar que todos venham, mas terão de aceitar as nossas regras", disse Khalid Salman, numa entrevista à estação televisiva ZDF, que será transmitida hoje na íntegra.

Num trecho da entrevista, Salman, antigo futebolista, afirmou que a "homossexualidade é 'haram' (proibido)", e, antes de ser interrompido por um assessor, acrescentou: "É 'haram' porque é um distúrbio mental".

Em 21 de setembro, o emir do Qatar, o xeque Tamim bin Hamad al-Thani, prometeu, perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, um Mundial sem discriminação, numa tentativa de tranquilizar a comunidade LGBT+.

Recentemente, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, respondendo às preocupações sobre o respeito pelos direitos das mulheres e da comunidade LGBT+ durante a competição, reiterou que "todos serão bem-vindos, independentemente da sua origem, formação, religião, género, orientação sexual ou nacionalidade" e considerou que o torneio será "o melhor de sempre, dentro e fora do campo".

O Qatar, país onde a homossexualidade é ilegal, recebe o Mundial de futebol, no qual participará a seleção portuguesa, entre 20 de novembro e 18 de dezembro.

Últimas Notícias