Orçamento do Estado

Orçamento do Estado para 2022 pode trazer mudanças de fundo no campo fiscal

Nas negociações está a ser discutido o englobamento de rendimentos no IRS, que pode passar de opcional a obrigatório.

O Orçamento do Estado para o próximo ano é apresentado dentro de uma semana e pode trazer mudanças de fundo no campo fiscal.

Nas negociações está a ser discutido o englobamento de rendimentos no IRS, que pode passar de opcional a obrigatório. A medida é contestada à direita, porque pode levar a um agravamento de impostos.

Na prática englobar é colocar tudo no mesmo saco: rendimentos de capital, como investimentos financeiros, rendimentos prediais, como rendas recebidas, e rendimentos de trabalho. Tudo é somado e a tudo é aplicada a mesma taxa de IRS. Por enquanto estes rendimentos extra-salário são por defeito tributados à parte com uma taxa própria.

A medida acentua as clivagens entre a esquerda e a direita, amplificadas durante a campanha para as autárquicas. Rui Rio chamou-lhe um brutal aumento de impostos, Rodrigues dos Santos uma machadada. Para já é apenas uma hipótese em discussão, um princípio previsto no Programa do Governo que prometia "caminhar no sentido do englobamento dos diversos tipos de rendimentos em sede de IRS, eliminando as diferenças entre taxas".

Se é desta que a caminhada arranca e por onde vai passar em concreto ficará a saber dentro de pouco mais de uma semana, quando foi apresentada a proposta de Orçamento.