Polígrafo SIC Europa

Portugal é um dos países da UE onde as pessoas menos se deslocam de bicicleta?

Pedro Nunes

A informação foi avançada nas redes sociais. De acordo com alguns internautas em 2014 apenas 1% dos portugueses afirmava utilizar a bicicleta como meio de transporte principal.

Portugal é o país da União Europeia (UE) que menos utiliza a bicicleta como meio de transporte principal. A informação é partilhada na rede social Reedit. O mapa da publicação reporta-se a um inquérito da Comissão Europeia.

Será que é mesmo assim?

O mapa baseia-se em dados do inquérito do Eurobarómetro “TNS Opinion & Social”, de 2014, onde foram entrevistados 27 868 mil cidadãos europeus. No geral as percentagens da utilização de bicicleta nos diferentes países da UE estão corretas, com a exceção da Eslovénia, onde há 9% de pessoas – e não 7% - utilizam a bicicleta como meio de transporte. Pode consultar aqui.

Quanto a Portugal, de facto apenas 1% dos portugueses inquiridos utilizavam a bicicleta como meio de transporte em 2014. Também com 1% está o Chipre. Mas o país que menos utilizava este meio de transporte era, na verdade, Malta com 0% - nenhum dos entrevistados afirmou usar a bicicleta para se deslocar. Os países que mais usavam este meio de transporte, à data, eram a Holanda (36%), a Dinamarca (23%) e a Hungria (22%). Nesse sentido, o mapa está correto: Portugal era em 2014 um dos países que menos andava de bicicleta.

Estes dados foram atualizados e podem ser consultados no site da Comissão Europeia. O novo inquérito, também do Eurobarómetro, foi feito em 2019 e chama-se “Special Eurobarometer 496, Mobility and Transport”. Neste, a amostra foi a semelhante: 27 565 mil pessoas foram entrevistadas.

Segundo estes dados, Portugal registou um decréscimo do uso da bicicleta na população entre 2014 e 2019. Nenhum dos 1.030 portugueses respondeu que usa a bicicleta como meio de transporte. O país regista agora 0% de utilizadores deste meio de transporte, tal como o Chipre. Malta, que em 2014 tinha uma percentagem de 0%, tem agora 2%. A média europeia mantém-se igual a 2014, ou seja, 8%. A Holanda continua no topo da lista, com 41% dos holandeses a responder que têm a bicicleta como meio de transporte principal. O segundo lugar é agora ocupado pela Suécia (21%). A Alemanha e a Hungria, passam agora a ter 15% e 14% dos inquiridos a utilizar a bicicleta, respetivamente. O que representa um decréscimo de quase metade.

Em contraponto com estes números, Portugal é o maior produtor de bicicletas da União Europeia. De acordo com dados da Eurostat, na União Europeia, em 2019, foram produzidas 11,4 milhões de bicicletas, mais 5% do que o ano anterior. Portugal produziu 2,7 milhões.

Os maiores problemas apontados para os utilizadores da bicicleta são o trânsito e a manutenção das estradas. Quando questionados sobre as principais preocupações do uso da bicicleta elétrica, os portugueses responderam “medo de guiar de uma forma segura”. Por outro lado, a maioria dos países respondeu “medo pela segurança dos pedestres e outros utilizadores vulneráveis”. O carro continua a ser o meio de transporte de eleição nos 27, especialmente por causa do conforto.

É, por isso, verdade que Portugal é um dos países da União Europeia em que a bicicleta é menos utilizada como meio de transporte principal.

Avaliação Polígrafo SIC Europa: Verdadeiro

Veja também:

A União Europeia nem sempre é bem entendida e muitas vezes é alvo de notícias falsas e manipulações.

No ano em que Portugal assume pela quarta vez a presidência da UE, entre 1 de janeiro e 30 de junho, o Polígrafo SIC abre espaço ao fact-checking dedicado aos assuntos europeus e à forma como influenciam os 27 Estados-membros.

"Este projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.”