Operação Marquês

Operação Marquês. Armando Vara em silêncio no primeiro dia de julgamento

O antigo Ministro não responde pelo crime de branqueamento de capitais no âmbito do processo Marquês.

Armando Vara, antigo ministro de José Sócrates e ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos apresentou-se em tribunal esta quarta-feira como diretor bancário aposentado. Todavia, optou por não prestar para já declarações.

O arguido chegou a julgamento pronunciado pelo crime de branqueamento de capitais, o único dos cinco crimes que tinham sido apontados na Operação Marquês.

Acusado na Operação Marquês de branqueamento de 353 mil euros, através do suposto circuito com paraísos fiscais e negócios imobiliários, Armando Vara não se manifestou.

Na segunda sessão, o gestor financeiro Michel Canals confirmou ter recebido de Armando Vara várias entregas de dinheiro para depois as fazer chegar ao estrangeiro.

Armando Vara cumpre uma pena de cinco anos de prisão por tráfico de influências no processo Face Oculta.

Dos cinco crimes que tinham sido apontados, apenas irá responder por um, após a decisão instrutório do juiz Ivo Rosa.

Veja também: