Vacinar Portugal

Covid-19. Vacina da Johnson & Johnson recomendada apenas a maiores de 50 anos

ETIENNE LAURENT

Anúncio feito esta sexta-feira pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales.

A vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson vai passar a ser recomendada apenas para pessoas com mais de 50 anos.

"A vacina da Janssen estará indicada e recomenda acima dos 50 anos de idade", disse Lacerda Sales, que falava à margem de uma visita ao hospital de Caldas da Rainha do Centro Hospitalar do Oeste

A nova norma foi publicada na quinta-feira e revelada esta sexta-feira pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales.

A Direção-Geral de Saúde já tinha decidido limitar a vacina em questão aos mais velhos. A decisão da comissão técnica de vacinação aguardava pela validação do Ministério da Saúde.

No dia 20, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) concluiu que há uma possível relação entre a formação de coágulos sanguíneos e a vacina da Janssen, na sequência de terem sido registados oito casos de pessoas que desenvolveram coágulos sanguíneos em quase sete milhões de pessoas vacinadas nos EUA.

Um dia depois, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse não haver qualquer restrição à utilização da vacina da Janssen em Portugal, uma vez que o plano de vacinação está atualmente focado nos mais de 70 anos.

Autoagendamento da vacinação. "Tem havido muitas solicitações"

Ainda sem números concretos sobre o total de pessoas que decidiram autoagendar a sua vacinação contra a covid-19, António Lacerda Sales considerou, no entanto, que o processo está correr "muito bem" e que são muitas as pessoas ansiosas por serem vacinadas.

"Tem havido muitas solicitações neste processo, o que é um bom sinal. É um sinal que há uma confiança das pessoas no autoagendamento", disse.

Veja também:

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias