Vacinar Portugal

Luz verde para a terceira dose da vacina covid-19 para imunodeprimidos

Norma deverá ser publicada na próxima semana.

Deverá ser publicada na próxima semana a norma que permite a vacinação com a terceira dose de doentes com o sistema imunitário suprimido. O Ministério da Saúde não vai esperar pelas recomendações da Agência Europeia do Medicamento.

A vacinação destes doentes deverá ocorrer nos hospitais e cabe aos médicos decidir quem deve ou não tomar mais uma dose.

Para quem?

Não se trata de um reforço geral da vacinação. Abrange apenas cerca de 100 mil pessoas, como doentes infetados com o vírus da Sida, transplantados e doentes oncológicos que fizeram ou estão a fazer medicação que prejudique o sistema imunitário, como a quimioterapia.

Ainda em estudo está a hipótese de vir a avançar mais tarde o reforço vacinal de 1,5 milhões de idosos cujo sistema imunitário é mais vulnerável.

A SIC sabe que a ministra da Saúde já não vai, afinal, esperar por recomendações da Agência Europeia do Medicamento que, até hoje, ainda não recebeu dos laboratórios pedidos formais para a administração da terceira dose.

Marta Temido, com base em vários pareceres e estudos científicos internacionais, decidiu, por isso, dar de imediato luz verde à proposta da comissão técnica de vacinação, validada pela Direção-Geral da Saúde.

De acordo com o parecer, a vacinação deverá ocorrer nos hospitais e a palavra final pertence aos médicos assistentes, a quem cabe a responsabilidade de avaliar quais os doentes que devem ou não tomar mais uma dose da vacina.

Veja também:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia