A vacinação em Portugal e no Mundo

Autoridades admitem que 2.ª dose da AstraZeneca pode ser substituida por outra vacina

ZURAB KURTSIKIDZE

Hipótese ainda estará a ser estudada.

A Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19 da Direcção-Geral da Saúde (DGS) admite que, abaixo dos 60 anos, quem recebeu a primeira dose da vacina AstraZeneca poderá receber a segunda dose de qualquer outra marca, noticia a TSF.

Citando declarações de um dos membros da comissão técnica, Luís Graça, a rádio TSF explica que esta é uma hipótese que ainda está em estudo e que a DGS ainda aguarda estudos para que seja tomada uma decisão.

"Todas as vacinas usam a mesma proteína, pelo que do ponto de vista da imunologia, à partida, será equivalente a resposta imunitária induzida com uma vacina de uma marca diferente", explica Luís Graça.

Na semana passada, a DGS passou a recomendar que esta vacina fosse administrada apenas a pessoas acima dos 60 anos. Segundo a TSF, cerca de 200 mil portugueses, de várias idades, já foram vacinados com a primeira dose desta vacina.

Segundo explica Luis Graça, uma vez que o intervalo entre as doses da vacina da AstraZeneca é de 12 semanas, as autoridades têm até maio para ver o que se está a passar nos outros países, quais são as alternativas e aguardar por mais dados, sobretudo pelo trabalho que está a ser feito pela Universidade de Oxford para estudar a eficácia da vacina e a segurança de fazer uma segunda dose de marca diferente.

O investigador diz ainda que quando chegar a altura em que Portugal tem de começar a dar a segunda dose, em maio, as autoridades estarão mais seguras da "estratégia mais segura e eficaz".

"Do ponto de vista do sistema imunitário, na segunda dose aquilo que se pretende é expor o nosso organismo às proteínas do vírus que estavam na primeira dose e todas as vacinas usam a mesma proteína - a proteína spike -, pelo que do ponto de vista da imunologia, à partida, será equivalente a resposta imunitária induzida com uma vacina de uma marca diferente", refere o especialista do Instituto de Medicina Molecular (IMM).

De qualquer forma, Luís Graça refere que, como até agora os estudos não avaliaram esta solução, é mais seguro ter resultados que confirmem que tudo se comporta como se prevê e que a resposta da segunda dose é igualmente robusta.

Adianta ainda que noutros países já se optou por dar uma segunda dose de outra marca, independente dos estudos que as autoridades portugueses aguardam.

"Isto é uma mensagem de segurança também para estas pessoas de que não se está a tomar uma medida precipitada com base em dados incompletos, esperando algum tempo por dados mais robustos", acrescenta.

O jornal Público noticiou no domingo que Portugal vai receber na quarta-feira um primeiro lote de 30 mil vacinas da Janssen contra a covid-19, acrescentando que com a chegada destes fármacos de dose única, o país fica com 1,9 milhões de doses disponíveis para administrar durante o mês de abril.

Segundo os dados divulgados na semana passada, perto de 580 mil pessoas têm a vacinação completa contra a covid-19, o que representa 6% da população, das quais cerca de 300 mil idosos com 80 ou mais anos.

Segundo o relatório semanal da DGS, 579.069 portugueses já receberam as duas doses da vacina contra o SARS-CoV-2.

O relatório, com dados até dia 04 de abril, indicava que tinham sido vacinadas com a primeira dose 1.334.338 pessoas (13% da população).

Já no final da semana, a 'task-force' do plano de vacinação revelou que Portugal tinha alcançado a marca de dois milhões de vacinas contra a covid-19 administradas à população desde o dia 27 de dezembro de 2020.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão