A vacinação em Portugal e no Mundo

Covid-19. Comissão Europeia não renova com AstraZeneca e avança com 2.ª ação judicial 

Em causa estão os atrasos nas entregas de vacinas. 

A União Europeia não vai renovar o contrato de aquisição de mais vacinas contra a covid-19 da AstraZeneca.

A Comissão Europeia fez saber que vai iniciar uma segunda ação judicial contra a farmacêutica por incumprimento do contrato.

Só a 7 de maio, três a quatro meses depois da data, é que a AstraZeneca finalizou a entrega dos 50 milhões de doses contratualizadas com a União Europeia, que deviam ter sido recebidas em janeiro. Estes atrasos estão na base dos processos judiciais, o segundo dos quais vai ser iniciado pela Comissão esta terça feira nos tribunais belgas.

A Comissão Europeia já anunciou que não vai ativar a cláusula que permitia a compra de 100 milhões de doses adicionais da AstraZeneca. A ideia é utilizar como segundas doses as que forem, entretanto, entregues.

Na Alemanha, estão a ser oferecidas sem limite de idade a quem voluntariamente aparecer nos centros de vacinação. O mesmo vai acontecer com a toma única da Johnson & Johnson.

As duas vacinas vão ser retiradas do plano de vacinação da Noruega, que mantém as de RNA mensageiro, ou seja as da Pfizer e moderna.

Parece ser cada vez mais claro que só com uma imunização global, os países ricos com mais população vacinada podem ficar a salvo das variantes oriundas de outras partes do mundo onde a pandemia está descontrolada.