A vacinação em Portugal e no Mundo

Covid-19: Portugal aguarda mais evidências sobre vacinação de crianças dos 5 aos 11 anos

A farmacêutica Pfizer já anunciou que vai pedir autorização.

A farmacêutica Pfizer já anunciou que vai pedir autorização para usar a vacina contra a covid-19 nas crianças entre os cinco e os 11 anos. Em Portugal, os especialistas mostram-se cautelosos e aguardam documentação mais segura.

O Infarmed explica que a aprovação está dependente do nível de evidência e da qualidade da informação.

Na Europa, para um fármaco ser autorizado para crianças é necessário submeter à Agência Europeia do Medicamento toda a documentação para os peritos avaliarem a segurança, a qualidade e a eficácia. Depois é analisado por um comité pediátrico.

Nesta altura, a vacina aos mais jovens, dos cinco aos 11 anos, não foi submetida aos reguladores do medicamento. Mas nos Estados Unidos, o laboratório da Pfizer concluiu mais um ensaio com uma resposta imune robusta nesta faixa etária.

Este ensaio pediátrico contou com cerca de 2.300 participantes e foi realizado nos Estados Unidos, na Finlândia, na Polónia e em Espanha. As crianças receberam duas injeções: de 10 microgramas cada, o que corresponde a um terço da dose da vacina dada aos jovens com mais de 12 anos.

Com estes resultados, a Pfizer anuncia que vai pedir o mais o mais rápido possível a aprovação aos reguladores de medicamentos da União Europeia e EUA.

Em Portugal, a classe médica está dividida sobre a vacinação nos menores de 12 anos. A SIC tentou contactar vários especialistas, que recusaram falar até terem mais documentação.

Veja também:

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia