Coronavírus

Vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech "é segura" para crianças entre 5 e 11 anos

Sarah Meyssonnier

E a resposta imunitária é "robusta", garantem as farmacêuticas.

Saiba mais...

A vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech é "segura" e "bem tolerada" por crianças entre 5 e 11 anos e a dosagem certa desencadeia uma resposta imunitária "robusta", anunciaram as farmacêuticas em comunicado esta segunda-feira citando os resultados do estudo.

As duas empresas pretendem apresentar estes dados às autoridades "o mais rapidamente possível", segundo um comunicado, que especifica que a reacção imunitária foi "comparável" à observada em jovens de 16 a 25 anos que receberam uma vacina de dose mais elevada.

"Mais voluntários que o necessário"

O vice-presidente da Pfizer e pediatra Bill Gruber diz que tinha mais voluntários do que podia aceitar para o ensaio clínico da vacina contra a covid-19 para esta faixa etária. Diz que a vacina vem dar resposta aos pedidos dos pais, que querem proteger os filhos, mas admite resistências.

Estes são os primeiros dados clínicos do ensaio para esta faixa etária.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e a norte-americana FDA autorizaram as vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna, ambas com base na tecnologia de RNA mensageiro, a partir dos 12 anos de idade.

Devido sobretudo à disseminação da variante Delta, “desde julho, os casos pediátricos da covid-19 aumentaram 240% nos Estados Unidos, evidenciando a necessidade de vacinação”, diz Albert Bourla, CEO da Pfizer, vendo nos dados uma "base sólida para pedidos de autorização".

Efeitos secudários iguais à faixa etária 16-25 anos

A Pfizer testou uma dose muito mais fraca, um terço da quantidade de cada injeção atualmente administrada.aos mais velhor.

Os efeitos secundários da vacina, que contém 10 microgramas por injeção para a faixa etária 5-12 anos, contra 30 microgramas para os mais velhos, são "em geral comparáveis" aos observados em pessoas de 16 a 25 anos, avançam os dois laboratórios.

Ivan Alvarado

Estes são resultados parciais de um estudo realizado com 4.500 crianças entre 6 meses e 11 anos nos Estados Unidos, Finlândia, Polónia e Espanha.

As duas empresas esperam publicar resultados "já no quarto trimestre" para a faixa etária de 2 a 5 anos, bem como de 6 meses a 2 anos, que receberam duas injeções de 3 microgramas.

Moderna também faz estudo com menores de 12 anos

O ensaio clínco da farmacêutica Moderna em crianças com menos de 12 anos ainda está em curso.

Vacinas contra a covid-19: as que estão a ser usadas e as que estão a caminho

Em menos de um ano desde que foi declarada a pandemia foram desenvolvidas várias vacinas em laboratórios por todo o mundo. A primeira vacina a obter autorização de emergência para inoculação foi a da Pfizer e BioNTech. O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar esta vacina e a iniciar a campanha de vacinação, em dezembro de 2020.

Pandemia já fez mais de 4,6 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 matou, até hoje, pelo menos 4.689.140 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um relatório realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

Mais de 228.494.810 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia