Mundo

Mais de 100 execuções na Arábia Saudita desde o início de 2016

© Reuters TV / Reuters

As autoridades sauditas executaram hoje um cidadão do país por assassínio, a 101ª execução desde o início do ano no reino regido por uma rigorosa interpretação da lei islâmica, anunciou o Ministério do Interior.

Na quinta-feira, tinham sido atingidas as 100 execuções de condenados, com a maioria destes a serem decapitados por espada.

A ONG Amnistia Internacional (AI), que há vários meses vem alertando pelo crescente número de execuções na Arábia Saudita, pediu hoje a Riade para "impor de imediato uma moratória sobre as execuções e abolir a pena de morte em definitivo".

"A Arábia Saudita acelera a sua utilização de uma sanção cruel e inumana sem consideração pela justiça e dos direitos humanos", acrescentou Philip Luther, diretor da AI para o Médio Oriente e África do norte.

Em 02 de janeiro, 47 pessoas foram executadas num único dia por "terrorismo", incluindo o clérigo e opositor xiita Nimr al-Nimr, com a sua morte a originar uma crise com o Irão.

Em 2015 foram executadas na Arábia Saudita 153 pessoas, um número que não era atingido há 20 anos, indica a agência noticiosa France-Presse.

"A este ritmo, os executores do reino vão rapidamente atingir e mesmo ultrapassar" o nível atingido em 2015, lamenta a AI.

As autoridades sauditas evocam a dissuasão para justificar a pena de morte, aplicada em casos de terrorismo, morte, violação, assalto à mão armada e tráfico de droga.

Segundo um estudo da AI, que não incluiu a China -- cujo número de aplicações da pena capital não são divulgadas publicamente --, a Arábia Saudita é o terceiro país com mais execuções após o Irão e o Paquistão.

Lusa

  • 380 mortos e mais de 13 mil casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O último balanço da DGS dá conta de 380 mortes e 13.141 casos de Covid-19 em Portugal. São mais 35 óbitos e 699 infetados em relação a ontem. A região Norte continua a ser a mais afetada, com 7.386 casos e 208 vítimas mortais. Há mais doentes internados mas menos casos em Unidades de Cuidados Intensivos, uma redução que se regista pela primeira vez desde o início da pandemia. Siga aqui ao minuto as últimas informações.

    Direto

    SIC Notícias