Mundo

Oposição venezuelana paralisa país durante 48 horas

Ueslei Marcelino

A oposição venezuelana convocou para hoje uma greve geral de 48 horas, naquela que é mais uma ação de protesto contra o Governo e tentativa de travar a Assembleia Constituinte, convocada pelo Presidente Nicolás Maduro para domingo.

A nova ação de protesto tem lugar seis dias depois de uma greve geral convocada pela opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD).

Segundo a oposição, a greve geral registou uma adesão de 85%, um número contestado pelo Governo, que garantiu que vários setores vitais para a economia venezuelana, incluindo o petrolífero, não aderiram.

A escalada de protestos da oposição contra a Assembleia Constituinte vai continuar na sexta-feira, um dia depois de terminar a greve, com uma manifestação que pretende ser uma "tomada" simbólica de Caracas, na qual vão também participar cidadãos do interior do país.

Também na sexta-feira, o Presidente Nicolás Maduro vai encerrar a campanha para a Assembleia Constituinte, com o que o próprio chefe de Estado diz ser "a mãe dos fechos de campanha constituinte", na Avenida Bolívar de Caracas, na capital venezuelana.

Entretanto, vários setores do país decidiram apoiar a greve que hoje se inicia, incluindo vários sindicatos, associações de professores, produtores de gado, e a Federação de Câmaras de Comércio da Venezuela (Fedecâmaras), que emitiu um comunicado dando "liberdade plena" aos trabalhadores e empresários para se unirem a esta "expressão democrática" de protesto.

A oposição venezuelana acusa o Presidente Nicolás Maduro de pretender usar a Assembleia Constituinte para impor uma constituição ao estilo de Cuba.

Além disso, a oposição tem denunciado que o processo é fraudulento, porque seria necessário, segundo a legislação em vigor, realizar um referendo consultivo para que o povo decida se quer ou não uma Constituinte.

Por outro lado, questiona o facto de o Conselho Nacional Eleitoral, por instruções do Chefe de Estado, ter estabelecido votos do tipo "setorial" e "territorial", argumentando que o voto é universal e secreto.

Na Venezuela, as manifestações a favor e contra Maduro intensificaram-se desde 01 de abril passado, depois de o Supremo Tribunal ter divulgado duas sentenças, que limitam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assume as funções do Parlamento.

A 01 de maio, Maduro anunciou a eleição de uma Assembleia Constituinte para alterar a Constituição, o que intensificou os protestos que, desde abril, provocaram pelo menos 100 mortos.

Lusa

  • Jovem violinista ferido nos protestos da Venezuela
    2:06

    Mundo

    A Venezuela enfrenta esta semana mais uma greve geral de 48 horas contra o presidente Nicolás Maduro. A violência continua a alastrar pelas ruas das principais cidades do país, com milhares de manifestantes a exigirem a demissão do Presidente. Um jovem violinista, símbolo do protesto pacífico contra Maduro, foi ferido este fim de semana.

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34

    Mundo

    A Venezuela está a entrar numa semana que decisiva para a crise política. Daqui a seis dias será escolhida a assembleia que deverá redigir a nova constituição. A oposição está contra e acredita que é uma forma de Nicolás Maduro se perpetuar no poder. A pressão internacional sobre o Maduro é cada vez maior e a oposição apelou a um boicote eleitoral e a uma greve geral de 48 horas.

  • Mais "Despacito" (devagarinho) Nicolás Maduro
    1:49

    Pequenas grandes histórias

    O regime do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apropriou-se do maior êxito musical de 2017 para a campanha que entra agora na reta final para a eleição da Assembleia Constituinte, do próximo domingo. Os autores do "Despacito", Luis Fonsi e Daddy Yankee, apressaram-se a condenar o uso "ilegal e nefasto para fins políticos" da música mais descarregada do mundo, a 1ª música em espanhol que domina o mercado mundial desde "Macarena" em 1996.

  • Maduro acusa a CIA de preparar um golpe na Venezuela
    2:00

    Mundo

    Uma vigília em Caracas terminou em violentos confrontos entre manifestantes e a polícia. A oposição tenta travar a eleição da Assembleia Constituinte, marcada para domingo. Mas o Presidente venezuelano mostra-se inflexível e acusa os Estados Unidos de financiarem os opositores e a CIA de estar a preparar um golpe no país com a ajuda dos governos da Colômbia e do México. Esta semana surpreendeu o mundo com uma nova música de propaganda.