Mundo

Austrália preocupada com as ameaças da Coreia do Norte

Malcolm Turnbull.

POOL New

O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, expressou hoje preocupação sobre a eventualidade de um conflito na região, na sequência da posição da Coreia do Norte, que ameaçou bombardear bases norte-americanas em Guam.

"Todos sabemos que um conflito seria devastador e teria consequências catastróficas", disse Turnbull aos jornalistas responsabilizando o regime de Kim Jong-Un que, frisou, mantém o programa de armamento nuclear.

"Elas atuam ilegalmente contra inúmeras resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A conduta ilegal do regime é provocadora e perigosa e é uma ameaça à paz na região", acrescentou Malcolm Turnbull.

O primeiro-ministro australiano reagiu desta forma às posições da Coreia do Norte, que ameaçou atacar as bases militares dos Estados Unidos em Guam, no Pacífico, numa altura em que o presidente norte-americano, Donald Trump, avisa que vai enviar bombardeiros B-1B para a península coreana.

Um porta-voz militar norte-coreano assegurou que o país analisa "um plano operacional de fogo" à volta de Guam, com mísseis de médio alcance Hawsong-12 para confinar as forças dos Estados Unidos às bases situadas na ilha do Pacífico.

A ministra dos Negócios Estrangeiros de Camberra, Julie Bishop, disse também que qualquer ameaça de conflito é "profundamente perturbadora" e que se um míssil de Pyongyang consegue atingir território dos Estados Unidos também pode, do mesmo modo, servir para atacar a Austrália.

Bishop apelou à tranquilidade e defendeu a implementação, de forma integral, das sanções do Conselho de Segurança da ONU para forçar a Coreia do Norte a abandonar os projetos nucleares.

O líder da Coreia do Norte ordenou o lançamento de 14 mísseis desde janeiro, dois dos quais com alcance intercontinental e, supostamente, com capacidade para atingir o território dos Estados Unidos.

Mesmo assim, os mísseis norte-coreanos estariam sujeitos ao sistema de interceção dos Estados Unidos no Pacífico.

Lusa

  • 76 mortes e 4.268 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O último balanço de vítimas da Covid-19 em Portugal é de 76 mortes e 4.268 infetados. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson testou positivo para o novo coronavírus. Está em isolamento, mas vai continuar a liderar a resposta britânica à pandemia. Siga aqui ao minuto últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    SIC Notícias