Mundo

Rússia confirma ataque a três navios ucranianos que provocou três feridos

Pavel Rebrov

A Rússia confirmou este domingo ter capturado três navios ucranianos no estreito de Kertch, impedindo o acesso ao mar de Arzov, e reconheceu ter feito uso da força, numa escalada de tensão sem precedentes naquela região.

"A fim de obrigar os navios militares ucranianos a pararem, foi feito o uso de armas", declararam os serviços de segurança da Rússia (FSB, antiga KGB), citados pelas agências noticiosas russas, acrescentando que as três embarcações ucranianas estão aprisionadas.

"Três membros do pessoal ucraniano foram feridos e já receberam tratamento médico. As suas vidas não estão em perigo", acrescentaram os serviços de segurança.

O FSB afirmou que, este domingo de manhã, violaram a fronteira russa os navios ucranianos "Berdyansk", "Nokopol" e "Yani Kapu", ao fazem "ações ilegais nas águas territoriais russas".

De acordo com os serviços de segurança russos, os navios ucranianos não responderam aos "pedidos legais" das autoridades russas para pararem e "produziram uma manobra perigosa".

O FSB também informou que foram abertos processos por violação das fronteiras russas.

A marinha ucraniana acusou este domingo a Rússia de apresar três navios militares ucranianos no Estreito de Kertch, que liga o mar Negro e o mar de Azov.

O Presidente ucraniano, Petro Porochenko, "denunciou um ato agressivo da Rússia visando uma escalada premeditada" nesta região, tendo convocado o seu gabinete militar, de acordo com comunicados oficiais.

Pouco antes, a marinha ucraniana acusara a Rússia de ter disparado contra os navios que tinham partido de Odessa e tentavam entrar no estreito de Kertch, que separa a Crimeia da Rússia.

O ataque ocorreu depois de Moscovo ter acusado a frota ucraniana de violar as suas águas territoriais.

Entretanto, alta representante da União Europeia para a Política Exterior exigiu à Rússia que restaure a liberdade de circulação no estreito de Kertch, para baixar a tensão na região.

"Esperamos que a Rússia restaure a liberdade de passagem no estreito de Kertch e apelamos a todos para atuarem com a maior contenção para baixar a tensão imediatamente", indicou a porta-voz de Frederica Mogherini, em comunicado.

"A União Europeia não reconhece e não reconhecerá a anexação ilegal da península da Crimeia por parte da Rússia", frisou.

O ataque deste domingo, que sucedeu a Moscovo acusar uma frota ucraniana de violar as suas águas territoriais, foi efetuado por uma embarcação da guarda costeira do Serviço Federal de Segurança.

A tensão em Azov disparou desde que Moscovo construiu, em maio passado, a ponte da Crimeia, que une a península com a Rússia.

Após isto, redobraram as inspeções aos navios ucranianos, o que Kiev considera um bloqueio aos seus portos em Azov.

Lusa