Mundo

Trump ameaça cancelar reunião com Putin devido a agressão russa à Ucrânia

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou na terça-feira cancelar a reunião marcada para este fim de semana em Buenos Aires com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, devido à agressão cometida pela Rússia ao apresar três embarcações militares ucranianas.

Numa entrevista ao diário The Washington Post, Trump disse que está à espera de receber esta noite um "relatório completo" da sua equipa de segurança nacional sobre as tensões na zona do estreito de Kerch, que une os mares Negro e de Azov.

"Isso (o relatório) vai ajudar-me a decidir as coisas", declarou Trump."Talvez não tenha a reunião [com Putin]. Talvez nem sequer tenha a reunião. Não me agrada essa agressão [Notes:russa à Ucrânia] . Não quero essa agressão, em absoluto", acrescentou.

Trump e Putin têm agendada uma reunião bilateral em Buenos Aires, Argentina, onde ambos participarão na sexta-feira e no sábado na cimeira de líderes do G20, das 20 principais economias do mundo.

Esse seria o seu primeiro encontro desde a reunião bilateral que mantiveram em julho em Helsínquia.

O Presidente dos Estados Unidos teve na segunda-feira uma reação inicial tíbia à crise entre a Rússia e a Ucrânia, afirmando apenas "não gostar" do que aconteceu entre os dois países.Mais claro foi o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que também na segunda-feira condenou a "agressiva ação russa" e pediu a Moscovo para entregar à Ucrânia "os barcos e os membros da sua tripulação detidos".

Por sua vez, a embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, acusou a Rússia de cometer "uma violação intolerável" da soberania territorial da Ucrânia e instou o Kremlin a "cessar imediatamente a sua conduta ilegal".

A Rússia manteve-se firme perante a pressão dos Estados Unidos e da Europa, e Putin advertiu na terça-feira a Ucrânia para não dar novos passos "irrefletidos", enquanto um tribunal da Crimeia encarcerou durante dois meses 12 dos 24 marinheiros detidos no domingo no mar Negro.

A tensão no mar de Azov disparou desde que Moscovo construiu, em maio, a ponte da Crimeia, que une ao território russo esta península anexada pela Rússia em 2014, após o que foram redobradas as inspeções aos barcos ucranianos, o que Kiev considera um bloqueio 'de facto' dos seus portos na zona.

Lusa

  • Palestinianos boicotam cimeira organizada pelos EUA no Bahrein
    2:50
  • André Rieu fez um vídeo para os fãs portugueses
    0:38