Mundo

G7 está dividido quanto ao futuro de jihadistas e das famílias

G7 está dividido quanto ao futuro de jihadistas e das famílias

Uma menina de três anos, filha de jihadistas portugueses, morreu na quinta-feira vítima de bombardeamento no último reduto do Daesh na Síria.

A notícia foi confirmada ao Expresso pela família do casal de radicais islâmicos. Entretanto, foram repatriadas para a Alemanha as primeiras crianças filhas de jihadistas alemães. Berlim diz que os menores são "vítimas" de uma situação que não escolheram, mas o grupo das sete maiores economias do mundo está dividido.