Mundo

Menores detidos pela polícia na fronteira dos EUA "em más condições"

Andres Martinez Casares / Reuters

Mais de 250 bebés, crianças e adolescentes em instalações sem janelas, alertam advogados.

Mais de 250 menores, entre bebés, crianças e adolescentes, foram encontrados num complexo de prédios sem janelas, tentando cuidar uns dos outros, por advogados que visitaram um centro da Polícia de Fronteira em Clint, no Texas, foi anunciado na sexta-feira.

Os advogados que visitaram há uma semana o centro da Polícia de Fronteira em Clint, a cerca de meia hora de carro de El Paso, a 19.ª cidade mais populosa dos Estados Unidos da América, "mostraram-se chocados" por terem encontrado mais de 250 bebés, crianças e adolescentes "tentando tratar uns dos outros e sem terem suficiente comida, água e saneamento", noticiou a Associated Press (AP).

Este local está operacional há seis anos e serve, sobretudo, como apoio para agentes em patrulha, mas é um sítio pouco investigado pelos advogados de imigração que atualmente estão "a levantar a voz" contra os campos de detenção em massa nos Estados Unidos, os quais podem ter mais, cada um, de 2.000 adolescentes detidos.

"Esta instalação não estava no nosso radar antes de virmos para cá", disse à AP o professor de direito Warren Linford, que pertence ao grupo de advogados que entrevistou 60 detidos em Clint.

Os causídicos alertaram para o facto destes centros de apoio ao controlo fronteiriço estarem sobrecarregados de migrantes e disseram temer que situações semelhantes possam estar a ocorrer noutras zonas do Texas.

A advogada Toby Gialluca, que visitou adolescentes e bebés em McAllen na semana passada, que fica também no Estado do Texas, afirmou que todos os entrevistados "estavam muito doentes, com febre alta, tosse e vestiam roupas sujas", após a longa viagem que fizeram.

"Todos estavam doentes. Todos. Estão a usar as suas roupas para limpar o muco e os vómitos das crianças e a maioria não está completamente vestida", salientou.

Os adolescentes em McAllen afirmaram que lhes deram sanduíches de presunto congeladas e comida estragada, adiantou a advogada.

Nos dois centros, as crianças contaram aos advogados que os guardas instruíam as meninas com apenas 8 anos a cuidar dos bebés e das crianças mais pequenas.

Os centros de apoio fronteiriços foram projetados para ter as pessoas até três dias, mas algumas crianças estão em Clint e McAllen há semanas.

Legalmente, os migrantes menores de 18 anos devem ser transferidos para o Serviço de Realojamento de Refugiados no prazo de 72 horas, alertaram os advogados.

Lusa