Mundo

Presidente do PT quer Lula candidato às presidenciais do Brasil de 2022

Adriano Machado

Ex-Presidente brasileiro está a cumprir pena de prisão em Curitiba devido a um caso julgado em três instâncias da Justiça brasileira.

A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, disse esta sexta-feira, em entrevista ao portal UOL, que o ex-chefe de Estado Lula da Silva, preso em Curitiba, é a sua primeira opção para as eleições presidenciais do Brasil de 2022.

"Não temos nenhuma discussão para 2022. Primeiro porque nós temos a figura do Lula, e apostamos muito que o Lula saia da prisão, porque é injusta e ilegal. O Lula é uma grande liderança do partido e, tendo condições de disputar, não teria dúvidas de que o PT disputaria com ele. Obviamente, se isso não acontecer, tem um nome forte no partido que é Fernando Haddad", afirmou Gleisi Hoffmann.Haddad foi o candidato do PT nas presidenciais do ano passado.

"Não construímos lideranças de uma hora para outra", acrescentou a dirigente partidária, que é também advogada e deputada federal.

Paulo Whitaker

O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva está a cumprir oito anos e 10 meses de prisão em Curitiba devido a um caso julgado em três instâncias da Justiça brasileira, num processo da operação Lava Jato sobre a posse de um apartamento de luxo na cidade do Guarujá, no município em São Paulo, alegadamente dado ao antigo chefe de Estado como pagamento de suborno pela construtora OAS.

A condenação, em abril do ano passado, afastou o político brasileiro das eleições presidenciais, em outubro seguinte, quando era o candidato favorito da população, segundo as sondagens realizadas à época.

Fernando Haddad foi o nome que substituiu Lula na corrida presidencial, mas acabou derrotado no confronto com Jair Bolsonaro, atual Presidente do país sul-americano.

Na entrevista ao UOL, Gleisi Hoffman, que se transformou na primeira mulher a assumir a liderança do PT, declarou que pretende manter-se no comando daquele que é o maior partido da oposição, nas próximas eleições para a presidência desta estrutura partidária, em novembro.

Amanda Perobelli

Gleisi Hoffmann criticou ainda o executivo de Bolsonaro, que acusou de ser "bandido" e "folclórico".

"É um Governo com projeto de destruição. O Bolsonaro é um ser folclórico. Nestes dias fiz uma afirmação pesada, mas acho que é isso mesmo: é um bandido na Presidência da República, que corteja com milícias, com o ilícito, com o autoritarismo, capaz de se dizer cúmplice de um assassinato, de um desaparecimento político no Brasil", frisou a presidente do PT.

No entanto, e apesar de dizer que "não vê nada de bom no Governo de Bolsonaro", Gleisi Hoffmann reconsiderou e apontou como medida positiva a implementação do "13.º mês do Bolsa Família", uma iniciativa do Governo Lula da Silva, que visa beneficiar famílias em situação de pobreza no país, através da atribuição de rendimentos.

Lusa