Mundo

Nigéria liberta 25 crianças absolvidas de suspeitas de ligação ao Boko Haram

Jerome Delay

"São crianças retiradas às suas familias e comunidades, privadas da infância, educação, saúde e oportunidade de crescer num ambiente seguro e apropriado".

As forças armadas da Nigéria libertaram 25 crianças depois de terem sido absolvidas das suspeitas de pertencer ao grupo extremista Boko Haram, anunciaram hoje organizações internacionais.

De acordo com a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW), os 23 rapazes e duas raparigas, que foram libertados na quinta-feira, estavam detidos em Giwa Barracks, principal centro de detenção em Maiduguri, no estado de Borno, por suspeitas de envolvimento em atividades do grupos islamitas Boko Haram.

"São crianças retiradas às suas familias e comunidades, privadas da infância, educação, saúde e oportunidade de crescer num ambiente seguro e apropriado", adiantou, através de comunicado, a representante interina do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) na Nigéria, Pernille Ironside.

A HRW assinalou que as crianças foram libertadas três semanas após a publicação de um relatório em que eram documentadas as condições degradantes e desumanas em que as crianças eram mantidas em Giwa Barracks.

As crianças permaneciam detidas durante meses ou anos sem acusação em celas sobrelotadas sujeitas a maus tratos, fome e temperaturas extremas.

Em junho de 2019, a HRW entrevistou 32 crianças e jovens, algumas das quais estavam detidas há mais de três anos, e nenhuma tinha sido presente a um juiz ou conhecia as acusações de que eram alvo.

As 418 crianças que estavam detidas por alegadas ligações a grupos armados em 2018, representavam uma significativa redução relativamente às 1.900 detidas em 2017, segundo um relatório de junho das Nações Unidas sobre crianças em conflitos armados.

"A libertação das crianças de Giwa Barracks mostra importantes progressos e assinala a vontade do Governo de cumprir as suas obrigações em matéria de direitos humanos", disse Jo Becker, diretor da HRW para os direitos das crianças.

"Estas crianças poderão agora reunir-se com as suas famílias e prosseguir a sua educação em vez de definharem na prisão", acrescentou.

Segundo as Nações Unidas, desde 2013 as forças armadas nigerianas detiveram mais de 3.600 crianças, incluindo 1.617 raparigas, por suspeitas de envolvimento com grupos armados.

Durante o mesmo período, as autoridades nigerianas libertaram pelo menos 2.200 crianças.Números da Unicef, apontam para a libertação de 44 crianças em 2019.

O Boko Haram tenta desde 2009 impor um estado independente dentro da Nigéria, país de maioria muçulmana no norte e cristã no sul, tendo alargado os seus ataques aos países vizinhos do Chade, Níger e Camarões.

As ações do Boko Haram causaram, na última década, mais de 27 mil mortos e dois milhões de deslocados.

Lusa