Mundo

"A nação está orgulhosa"

Gesto de paz entre o primeiro-ministro da Etiópia e o Presidente da Eritreia.

Tiksa Negeri / Reuters

Gabinete de Abiy Ahmed Ali congratula-se com Nobel da Paz e evoca orgulho da nação.

O gabinete do primeiro-ministro da Etiópia congratulou-se hoje com a atribuição do prémio Nobel da Paz a Abiy Ahmed Ali e declarou que a nação está orgulhosa.

“Estamos orgulhosos como nação”, indica a mensagem de divulgação do galardão na rede social Twitter, onde se apela a “todos os etíopes e amigos da Etiópia para continuarem do lado da paz”.

O chefe do governo etíope recebeu o Nobel da Paz 2019 pelo "seu importante trabalho para promover a reconciliação, a solidariedade e a justiça social", informou o Comité Nobel norueguês que atribui o prémio.

“Abiy Ahmed Ali iniciou importantes reformas que proporcionam a muitos cidadãos a esperança de uma vida melhor e de um futuro melhor", refere o comunicado, adiantando que o prémio pretende ainda reconhecer "todas as partes interessadas que trabalham pela paz e reconciliação na Etiópia e nas regiões leste e nordeste da África”.

As reformas de Ahmed Ali, 43 anos, incluíram fazer as pazes com a antiga rival Eritreia, acabando com um dos conflitos mais antigos de África. Libertou ainda dezenas de milhares de prisioneiros e acabou com a interdição de grupos de oposição proibidos até então.

“Este reconhecimento é um testemunho eterno dos ideais do Medemer (em amárico, língua etíope, “permanecer juntos” ou “sinergia”) de unidade, cooperação e coexistência mútua que o primeiro-ministro liderou permanentemente”, indica o gabinete de Ahmed Ali.

Considera ainda o prémio Nobel da Paz “uma vitória coletiva dos etíopes e um apelo ao fortalecimento da sua determinação em fazer da Etiópia uma nação mais próspera para todos”.

O ano passado, o Nobel da Paz foi atribuído ao médico congolês Denis Mukwege e à ativista de direitos humanos Nadia Murad yazidi devido aos esforços dos dois laureados para acabar com a violência sexual como arma nos conflitos e guerras de todo o mundo.

Lusa

  • Escolas fazem negócio com refeições
    11:40