Mundo

Macron diz a Trump que é preciso conter ofensiva turca na Síria

Christian Hartmann

Líderes falaram ao telefone esta sexta-feira à noite sobre a intervenção da Turquia na região.

Presidente francês, Emmanuel Macron, reiterou aos seu homólogo norte-americano, Donald Trump, a urgência de conter a ofensiva turca no nordeste da Síria "o mais rápido possível", segundo um comunicado da Presidência francesa hoje divulgado.


Os líderes mantiveram uma conversa por telefone na sexta-feira à noite sobre a intervenção da Turquia na região e Macron defendeu a necessidade de impedir o ressurgimento do Estado Islâmico (EI) na área, segundo a nota do Palácio do Eliseu.


Macron declarou que devem "apoiar aqueles que lutaram no terreno connosco e contra os terroristas" do Daesh, numa referência aos curdos, além de proteger a população civil síria.


A esse respeito, o Presidente francês afirmou que a ofensiva turca deve ser interrompida "o mais rápido possível".


Segundo o Eliseu, os dois países têm preocupações comuns sobre o assunto e permanecerão "coordenados de perto" pelos próximos dias.


Trump, duramente criticado pela forma como lidou com a ofensiva militar turca contra os curdos no norte da Síria, abandonou a passividade inicial na sexta-feira ao pedir ao seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, que parasse os ataques sob ameaça de sanções.


Essa posição contrasta com a primeira declaração divulgada no domingo passado, após a Casa Branca anunciar a retirada de tropas do seu país da Síria e um telefonema entre Trump e o Presidente turco.


Washington referiu no domingo que estava ciente da ofensiva militar turca, alertando ainda que não a "apoiaria" e também não "se envolveria" nessa operação.


Isso foi interpretado como uma aprovação para a operação militar do Governo turco contra os curdos, um plano que Erdogan mantém vivo há anos e que, até agora, tinha a oposição explicita.

Lusa

  • Entregues à sorte (Episódio I)
    Grande Reportagem

    Grande Reportagem

    No Jornal da Noite

    Durante 50 anos a base das Lajes foi o cais de embarque de muitas crianças açorianas dadas pelos pais biológicos a casais norte-americanos colocados na ilha Terceira. Nascidos em famílias pobres e/ou numerosas, sem meios para sustentar mais uma boca, mais um corpo para vestir e calçar, os filhos mais novos eram geralmente os sacrificados.

    Hoje, no Jornal da Noite

    Amélia Moura Ramos