Mundo

Merkel pediu a Erdogan para cessar "imediatamente" os ataques militares na Síria

Michele Tantussi

Merkel alertou para o risco do ressurgimento do grupo 'jihadista' Daesh, dada a instabilidade da região.

A chanceler alemã, Ângela Merkel, instou hoje o Presidente da Turquia, Recep Erdogan, a "cessar imediatamente "a ofensiva militar no nordeste da Síria, alertando para o risco do ressurgimento do Daesh.

Este apelo da Alemanha, face ao conflito militar que envolve a Turquia e os curdos na Síria, foi feito durante uma conversa telefónica entre Ângela Merkel e Erdogan, segundo um comunicado do gabinete da chanceler alemã, citado pela agência France-Presse.

"Esta ofensiva fará partir da zona alvo grande parte da população e provocará uma destabilização da região, conduzindo a um ressurgimento do EI", sublinha a nota.

Já no sábado a Alemanha e a França tinham anunciado que iriam suspender a venda de armas que são suscetíveis de vir a ser utilizadas nesta operação militar da Turquia contra as Unidades de Proteção do Povo (YPG), a principal milícia curdo-síria.


Em resposta, este domingo, Erdogan assegurou que estas medidas da Alemanha e da França não serão suficientes para travar a ofensiva militar na Síria.


Embora a Turquia considere o YPG um grupo "terrorista", que coloca em causa a segurança do país, esta milícia curda é apoiada pelo Ocidente, que os vê como um aliado contra o EI.

Lusa

  • Família separada pelo tribunal
    0:38
    Entregues à sorte

    Entregues à sorte

    Sandra Lima tinha seis anos e a irmã Albertina Silva tinha 16 quando o Tribunal da Horta ordenou a retirada das crianças aos pais biológicos. Os irmãos foram espalhados por várias instituições e Sandra acabou por ser adotada por norte-americanos aos 10 anos. Uma história para ver segunda-feira, no Jornal da Noite.

    Segunda-feira no Jornal da Noite

    Amélia Moura Ramos