Mundo

Erdogan elogia anúncio de retirada de soldados dos EUA do norte da Síria

Tayyip Erdogan, Presidente da Turquia.

Djordje Kojadinovic/ REUTERS

Turquia lançou ofensiva contra os curdos.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, elogiou hoje o anúncio feito pelo Pentágono sobre a retirada de 1.000 soldados norte-americanos no norte da Síria, onde Ancara está a conduzir uma ofensiva contra os curdos.

"Esta é uma abordagem positiva", disse Erdogan numa conferência de imprensa em Istambul, após o anúncio da retirada feito pelo chefe do Pentágono, Mark Esper, no domingo.

Na semana passada, a Turquia lançou uma operação no nordeste da Síria contra a milícia curda das Unidades de Proteção do Povo (YPG), um grupo apoiado pelos países ocidentais devido ao seu papel na luta contra os extremistas do Daesh, mas descrito como "terrorista" por Ancara.

Após o anúncio da retirada dos militares dos EUA, as YPG chegaram a um acordo com o regime sírio que, segundo as autoridades curdas, prevê o destacamento do exército de Damasco no norte da Síria.

Segundo o jornal do Governo sírio Al-Watan, o acordo prevê "a entrada do exército sírio nas cidades de Minbej e Ain al-Arab (o nome árabe de Kobane)", localizado em norte da Síria e que poderá estar entre os objetivos da Turquia.

A Turquia pede há meses a retirada das forças curdas de Minbej, o que foi hoje novamente solicitado por Erdogan.

"Quando Minbej estiver vazia, não seremos nós, a Turquia, que vamos entrar. Serão os nossos irmãos árabes, que são os verdadeiros proprietários (...). A nossa abordagem para isso é fazer que voltem e garantam a sua segurança", disse Erdogan.

"A nossa decisão foi tomada sobre Minbej, agora estamos na fase de implementação", acrescentou.

Erdogan disse ainda que a Rússia "deu uma resposta positiva" aos planos de Ancara de entrar na cidade síria de Kobane após a retirada das tropas norte-americanas.

"Parece que a operação turca não terá qualquer problema em Ain al Arab (Kobane) na Síria. A Rússia deu uma resposta positiva através da sua embaixada", disse Erdogan.

Esta afirmação contrasta com as notícias, divulgadas no domingo, de que a Rússia, aliada de Damasco, apoiaria o pacto com os curdos para enviar as tropas de Assad para o norte da Síria.

Lusa