Mundo

Trump descarta quaisquer responsabilidades sobre ofensiva turca

MICHAEL REYNOLDS / POOL

Presidente dos EUA diz que o problema é dos turcos e dos sírios e não dos norte-americanos

MICHAEL REYNOLDS

"Se a Turquia entra na Síria, é entre a Turquia e a Síria. Não é um problema nosso", disse Donald Trump, em conferência de imprensa na Casa Branca.

A declaração de Trump surge no dia em que o seu vice-Presidente, Mike Pence, e o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, partiram para a Turquia na tentativa de promover um cessar-fogo.

O dia ficou marcado por uma troca de insultos entre Donald Trump e a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, depois de a Câmara ter aprovado uma resolução contra a retirada das tropas norte-americanas do norte da Síria.

Democratas e republicanos uniram-se para manifestar preocupação sobre a retirada das tropas, que dizem promover o ressurgimento do Estado Islâmico, a presença e a influência russa na região e o massacre de muitos curdos.

Depois da votação, Trump recebeu líderes parlamentares de ambos os partidos na Casa Branca, mas três líderes democratas deixaram a reunião abruptamente, devido aos insultos de Trump à líder da Câmara dos Representantes.

"Ela permaneceu calma, mas ele [Notes:Trump] chamou-a de política de terceira classe", denunciou o líder democrata no Senado, Chuck Schumer."Não foi um diálogo, foi uma espécie de diatribe, uma diatribe desagradável", acrescentou Schumer.

Por sua vez, Pelosi atribuiu o comportamento de Trump ao facto de "estar perturbado" pela resolução do Congresso. "O que vimos do Presidente foi um colapso, infelizmente", disse.

Em várias mensagens publicadas na rede social Twittwr, Trump também acusou Pelosi de "ser uma pessoa muito doente", acrescentando que a democrata "precisa de ajuda rapidamente".

Com Lusa

  • Reis de Espanha em visita polémica a Havana
    1:24

    Mundo

    Na justificação oficial, esta visita destina-se a estreitar os laços económicos e financeiros entre os dois países. Uma viagem polémica, tanto para espanhóis como para cubanos.