Mundo

Coreia do Norte ameaça acelerar programa de armas nucleares

KCNA KCNA

EUA consideram declarações bastante preocupantes.

A Coreia do Norte ameaçou esta terça-feira acelerar o seu programa de armamento nuclear e procurar "novos caminhos" para defender os seus interesses, perante o impasse nas negociações com os Estados Unidos.

Os EUA exigem que a Coreia do Norte renuncie imediatamente a todo o seu arsenal nuclear, enquanto Pyongyang pede para que seja levantada parte das sanções económicas internacionais, num impasse negocial que dura há vários meses.

Hoje, Ju Yong Chol, representante norte-coreano na ONU, disse perante a Conferência de Desarmamento que decorre em Genebra que os esforços do seu país para negociar com os Estados Unidos estão a esbarrar contra obstáculos intransponíveis, ameaçando com o acelerar do seu programa nuclear.

"Embora os Estados Unidos falem de uma retoma do diálogo, não pretendem abandonar a sua política hostil em relação à República Popular Democrática da Coreia",disse Ju Yong Chol, perante uma plateia de diplomatas nas Nações Unidas.

Após uma dramática aproximação em 2018, as negociações sobre a questão nuclear norte-coreana estagnaram, desde o fracasso da cimeira de Hanói, em fevereiro de 2019, entre o Presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Em dezembro passado, Kim Jong-un anunciou aos dirigentes do seu partido que se sentia desobrigado de cumprir a moratória de testes balísticos intercontinentais, dizendo estar apostado em desenvolver novas armas estratégicas. Hoje, o representante da Coreia do Norte na ONU disse que se os Estados Unidos persistissem "em impor sanções e exercer pressão" sobre o seu país, o seu Governo seria "forçado a procurar novos caminhos para defender a soberania e os supremos interesses nacionais".

"Como ficou claro agora que os Estados Unidos continuam a insistir em bloquear o desenvolvimento da Coreia do Norte e a sufocar o seu sistema político, não encontramos motivos para continuar unilateralmente a respeitar um compromisso que a outra parte não respeita", sublinhou o diplomata.

O embaixador norte-americano na Conferência sobre Desarmamento, Robert Wood, considerou essas observações "bastante preocupantes".

"O que esperamos é que eles tenham a atitude certa e voltem à mesa de negociações para tentar encontrar um acordo que nos permita manter o compromisso firmado pelo Presidente Trump e pelo Presidente Kim Jong-un de desnuclearizar a Coreia do Norte", disse Wood aos jornalistas no final da conferência.

Ver também:

  • A pergunta da semana: concorda com a eutanásia?

    Eutanásia

    A Assembleia da República debate a 20 de fevereiro cinco projetos de lei para a despenalização da morte assistida. As propostas são do Bloco de Esquerda, do Partido Socialista, do Partido das Pessoas dos Animais e da Natureza (PAN), do Partido Os Verdes e da Iniciativa Liberal. Sabe o que cada partido propõe? A resposta está neste artigo. Concorda com a eutanásia? Responda ao inquérito.

    VOTE AQUI

    SIC Notícias