Mundo

Satélite europeu de observação do Sol com tecnologia portuguesa lançado com sucesso

Ilustração da Solar Orbiter

ESA

Vai tirar as primeiras fotos dos polos do Sol.

O satélite europeu Solar Orbiter foi hoje lançado com sucesso e leva a bordo tecnologia portuguesa, das empresas Critical Software, Active Space Technologies e Deimos Engenharia.

O engenho da Agência Espacial Europeia (ESA) em parceria com a NASA foi lançado por um foguetão norte-americano a partir da base de Cabo Canaveral às 23:03 de domingo (04:03 em Lisboa).

A bordo leva dez instrumentos científicos que pesam ao todo 209 quilos para uma missão que deverá custar 1,5 mil milhões de euros.

"Temos um objetivo comum, o de tirar o máximo proveito científico desta missão. Acho que teremos sucesso", afirmou a diretora da divisão de ciências heliofísicas da NASA, Holly Gilbert.

A Critical Software concebeu vários sistemas de 'software' do satélite, como os sistemas centrais de comando e controlo, de deteção e recuperação de falhas e de gestão de comportamento térmico, segundo informação da empresa.

A Active Space Technologies fabricou componentes em titânio para o braço de suporte e orientação da antena de comunicação do satélite com a Terra e canais igualmente de titânio, para a passagem de luz, que atravessam o escudo térmico do aparelho, adiantou a companhia à Lusa.

A Deimos Engenharia, braço português da componente tecnológica do grupo espanhol de engenharia e construção de infraestruturas Elecnor, trabalhou na definição e implementação da estratégia para testar os sistemas de voo do Solar Orbiter.

A sonda Solar Orbiter em construção

A sonda Solar Orbiter em construção

Stephane Corvaja / ESA

A missão do Solar Orbiter vai permitir obter as primeiras imagens dos polos do Sol, considerados chave para se compreender a atividade e os ciclos solares.

Por outro lado, salientou a ESA, será o primeiro satélite europeu a entrar na órbita de Mercúrio e a explorar a conexão entre o Sol e a Terra para entender melhor o clima extremo no espaço.

O aparelho, que estará a 42 milhões de quilómetros do Sol na sua maior aproximação, o equivalente a um quarto da distância que separa a estrela da Terra, está equipado com dez instrumentos para observar a superfície turbulenta do Sol, a sua atmosfera exterior e as alterações no vento solar (emissão contínua de partículas energéticas a partir da coroa, a camada mais externa da atmosfera solar).

O Solar Orbiter, preparado para enfrentar temperaturas de 500ºC, trabalhará em complemento com a sonda norte-americana Parker Solar Probe, em órbita desde 2018, e que tem quatro instrumentos para estudar o campo magnético do Sol, o plasma, as partículas energéticas e o vento solar.

Os cientistas esperam obter com este satélite respostas sobre o que leva à aceleração das partículas energéticas, o que acontece nas regiões polares por ação do campo magnético, como é que o campo magnético é gerado no Sol e como se propaga através da sua atmosfera e pelo espaço, como a radiação e as emissões de plasma (gás ionizado formado a elevadas temperaturas) da coroa afetam o Sistema Solar e como as erupções solares produzem as partículas energéticas que conduzem ao clima espacial extremo próximo da Terra.

  • Uma animação da ESA mostra a trajetória da Solar Orbiter em torno do Sol e destaca as manobras que permitirão à sonda mudar de inclinação para observar o Sol sob diferentes perspectivas. Durante a fase inicial, que dura até novembro de 2021, a Solar Orbiter realizará duas manobras em redor de Vénus e uma em torno da Terra para que a trajetória seja alterada de modo a viajar para as regiões mais internas do Sistema Solar. Ao mesmo tempo, a Solar Orbiter vai recolhendo dados e calibrando os seus instrumentos. A primeira passagem mais perto do Sol ocorrerá em 2022 a uma distância equivalente a um terço da distância entre a Terra e o Sol.