Mundo

Nações Unidas enviam missão humanitária a Idlib, na Síria

Yagiz Karahan

Missão deve partir já na próxima semana.

Uma missão humanitária da ONU está a preparar-se para viajar até Idlib, a região na Síria que tem sido alvo de fortes combates entre as forças turcas e o regime sírio, anunciou esta sexta-feira o secretário-geral, António Guterres.

"Há uma missão humanitária em preparação", disse Guterres, questionado pelos jornalistas sobre a avaliação das Nações Unidas sobre a situação em Idlib, sem fornecer mais pormenores sobre a iniciativa.

Na quinta-feira, pelo menos 33 soldados turcos foram mortos num ataque aéreo das forças armadas do regime sírio, em Idlib, naquele que foi um recorde de vítimas fatais para a Turquia num só dia, desde 2016, e num sinal evidente de escalada de violência na região.

"Este é um dos momentos mais alarmantes do conflito sírio", afirmou Guterres, lembrando que já tinha alertado para "o risco de uma grave escalada de hostilidades no noroeste da Síria".

Diplomatas que falaram sob a condição de anonimato disseram que a missão pode partir já na próxima semana e deve reunir representantes de diversas agências das Nações Unidas.

Além de acautelar os assuntos humanitários, a missão poderá ainda incluir representantes do Programa Mundial de Alimentos e da Unicef, a agência da ONU especializada em crianças.Desde o início de dezembro, cerca de 950.000 pessoas, incluindo mais de 500.000 crianças, fugiram dos combates na região de Idlib (noroeste da Síria).

"A necessidade mais urgente é um cessar-fogo imediato, antes que a situação fique completamente fora de controlo", declarou o secretário-geral da ONU.

"Em todos os meus contactos com as partes envolvidas tenho apenas uma mensagem simples: recuem quando estiverem à beira da escalada", acrescentou Guterres, a quem nove membros do Conselho de Segurança tinham pedido, na quarta-feira, para fazer mais para obter um cessar-fogo.

"É essencial que os combates parem", insistiu o secretário-geral da ONU, embora sem referir nenhuma iniciativa específica para o conflito, nem mencionando a participação da Rússia nestes ataques.

O Conselho de Segurança da ONU, que analisou a situação na Síria, na quinta-feira, reunirá novamente, ainda hoje, com caráter de urgência, numa sessão que tem início marcado para as 16:00 em Nova Iorque (21:00 em Lisboa).