Mundo

Bolsonaro nomeia advogado André de Almeida Mendonça para ministro da Justiça

Ueslei Marcelino

Há também sucessor para o comando da Polícia Federal.

O Presidente do Brasil nomeou o advogado André de Almeida Mendonça para ministro da Justiça, em substituição de Sergio Moro. O advogado estava à frente da Advocacia Geral da União e é apontado como um dos escolhidos para o Supremo Tribunal Federal.

Jair Bolsonaro nomeia também o delegado Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal. O delegado - que em 2017 participou na investigação da Operação Lava Jato - era o diretor da Agência Brasileira de Inteligência.

Alexandre Ramagem é amigo dos filhos do Presidente brasileiro.

A demissão de Moro

Sergio Moro anunciou esta sexta-feira a sua demissão, depois do Presidente Jair Bolsonaro ter exonerado o diretor-geral da Polícia Federal. Moro já tinha ameaçado sair do Governo se Maurício Valeixo fosse afastado do cargo.

PGR do Brasil abre inquérito sobre acusações de Moro contra Bolsonaro

Moro declarou que o Presidente lhe disse pessoalmente que queria trocar o chefe geral da Polícia Federal porque estava preocupado com investigações em curso no Supremo Tribunal Federal (STF), que podem evolver os seus filhos ou aliados políticos, e afirmou que o chefe de Estado queria ter acesso a relatórios sigilosos sobre investigações.

O procurador-geral da República brasileiro, Augusto Aras, pediu na sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito para apurar as acusações.

O pedido entregue ao STF aponta a eventual ocorrência dos crimes de "falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, denúncia caluniosa e crime contra a honra".

Supremo Tribunal brasileiro determina abertura de inquérito contra Bolsonaro

Um juiz Supremo Tribunal Federal do Brasil determinou segunda-feira à noite a abertura de um inquérito para investigar as acusações de interferência em processos judiciais contra o Presidente Jair Bolsonaro, feitas pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro.