Mundo

Família de Stanley Ho fala em morte de "figura maior que a vida"

Bobby Yip

O magnata morreu esta terça-feira aos 98 anos.

A família do magnata do jogo de Macau Stanley Ho manifestou esta terça-feira pesar pela morte, aos 98 anos, de "uma figura maior que a vida".

Em nome das quatro mulheres que partilharam a vida com Ho, Clementina Leitão Ho (já falecida), Lucina Laam King Ying, Ina Chan Un Chan e Angela Leong On Kei, bem como de todos os seus filhos e netos, a família fala numa "profunda tristeza" pelo falecimento do "amado patriarca", numa nota enviada à agência Lusa.

"Cercado por todos os membros da sua família, Dr. Ho faleceu pacificamente" em Hong Kong, "uma figura maior do que a vida, cuja visão sem paralelo, espírito empreendedor, desenvolto e temerário foram amplamente reconhecidos e respeitados", salientou o mesmo texto.

"Para nós, ele foi e sempre será o nosso modelo inspirador. Passou-nos valores importantes. Ensinou-nos a ver possibilidades em territórios novos e desconhecidos, a abraçar desafios com tenacidade e resiliência, a ser compassivo e empático, a retribuir à sociedade, a apreciar nossa herança cultural e, acima de tudo, a sermos patrióticos no nosso país", sublinhou a família.

Entre as "muitas vitórias que conquistou nos 98 anos de vida, o carisma do Dr. Ho, o seu sentido de humor e o amor pela dança estarão entre as muitas qualidades pelas quais os seus pares se lembrarão dele com carinho", referiu.

"Mas para nós, sua família, o seu legado será o amor incondicional que demonstrou. Embora soubéssemos que esse dia chegaria, nenhuma palavra poderia expressar adequadamente a consciência da nossa perda. A sua falta será sentida por todos os membros da família e por todas as vidas que ele tocou", acrescentou.

O magnata do jogo de Macau Stanley Ho morreu hoje aos 98 anos, em Hong Kong.

Figura incontornável no antigo território administrado por Portugal, e um dos homens mais ricos da Ásia há décadas, a fortuna pessoal de Ho foi estimada em 6,4 mil milhões de dólares (5,9 mil milhões de euros), quando se reformou em 2018, apenas alguns meses antes do 97.º aniversário, referiu o jornal South China Morning Post, de Hong Kong, cidade onde vivia.

Exemplo acabado de um 'self-made man', Stanley Ho fica para a história como o magnata dos casinos de Macau, terra que abraçou como sua e cujo desenvolvimento surge ligado ao império do jogo que construiu.

Nascido a 25 de novembro de 1921 em Hong Kong, Stanley Ho fugiu à ocupação japonesa para se radicar na então portuguesa Macau, onde fez fortuna ao lado da mulher macaense, oriunda de uma das mais influentes famílias da altura.

Nos anos de 1960, conquista com a Sociedade de Turismo e Diversões de Macau (STDM), o monopólio de exploração do jogo, que manteve por mais 40 anos, até à liberalização, que trouxe a concorrência dos norte-americanos.

Stanley Ho marcou a transformação e modernização do território, com a dragagem dos canais de navegação -- imposta pelo contrato de concessão de jogos --, à construção do Centro Cultural de Macau, do Aeroporto Internacional ou à constituição da companhia aérea Air Macau.