Mundo

"Está tudo em choque. Ninguém sabe o que fazer". O testemunho de um português em Beirute

O fotojornalista vive a dois quilómetros do porto onde se deu a explosão.

João Sousa é um fotojornalista português que vive no Líbano desde janeiro. Em entrevista à SIC Notícias conta que durante a tarde desta terça-feira ouviu "um som pouco usual".

"Acho que estamos a ser atacados, foi o primeiro pensamento que me veio à cabeça", explica João Sousa.

O fotojornalista vive a dois quilómetros do porto onde se deu a explosão. Conta que quando aconteceu a segunda, "cerca de 30 segundos depois" da primeira "aí sim, tremeu tudo" e a "casa [onde vive] ficou bastante danificada".

"Nós pensámos que estavamos a ser bombardeados. (...) Um dos meus colegas de casa entrou em estado de choque, não se conseguia mexer."

João e o colega de casa, momentos depois das explosões, pegaram numa mochila com os pertences pessoais e saíram porta fora. Assim que saíram deparam-se com "o estado de caos".

À medida que ia em direção ao porto, o fotojornalista conta que ia assistindo a "cada vez mais caos e destruíção no centro de Beirute".

"Comércio local que eu frequento, os meus vizinhos, pessoas conhecidas, completamente transfiguradas. Está tudo em choque. Ninguém sabe muito bem o que pode fazer e o que há a fazer."


João Sousa saiu de Portugal em 2006 e neste momento não sabe "muito bem onde é a casa". No entanto, também ainda não sabe como serão os próximos tempos.

"Vou ver até que ponto posso continuar aqui, a trabalhar no jornal e a reportar o que se passa neste país. Mas tudo depende dos próximos relatórios. Se informarem que os gases que estão no ar são realmente letais (...) então terei de sair daqui."

VEJA TAMBÉM: