Mundo

Governo brasileiro demite chefe de órgão de controlo ambiental

Rogerio Florentino

Foi demitido por manifestar divergências em relação à política governamental adotada para conter incêndios no Pantanal.

O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ambiental responsável pela gestão de 334 unidades de conservação no Brasil, foi demitido esta sexta-feira segundo publicação do Diário Oficial da União.

O ex-presidente do órgão é o coronel da Polícia Militar de São Paulo Homero Cerqueira que, de acordo com 'media' locais, foi demitido por manifestar divergências em relação à política governamental adotada para conter incêndios no Pantanal, um bioma brasileiro que está a ser destruído por grandes fogos nas últimas semanas.

Considerada a maior zona húmida do planeta, o Pantanal é uma planície que tem 80% de sua área inundada na estação chuvosa e é considerado um santuário onde ainda se encontra preservada grande parte de sua fauna extremamente rica.

A maior área do Pantanal (62%) está no território brasileiro. Cerca de 20% do bioma situa-se na região norte do Paraguai e 18% na Bolívia.

O jornal Folha de S.Paulo mencionou que Cerqueira teria também desagradado pessoas no Governo, devido a um ciclo de palestras que organizou para comemorar os 13 anos do ICMBio.

Presidente demitido ficou espantado e indignado com exoneração

Numa mensagem enviada aos funcionários do ICMBio após sua demissão, a que a Lusa teve acesso, o presidente demitido afirmou que recebeu a informação sobre sua exoneração do cargo "com espanto e indignação", frisou que não pediu para sair e afirmou ter sido "surpreendido".

Cerqueira acrescentou que "foi uma missão dada" e "cumprida com o melhor" de si.

Paulo Homero Cerqueira é o segundo presidente do ICMBio a deixar o cargo em pouco mais de um ano e meio após a posse do Governo liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro.

O coronel assumiu o cargo em maio passado depois do seu antecessor, o ambientalista Adalberto Eberhard, ter pedido a demissão.

O Governo brasileiro ainda não anunciou quem será o novo diretor do instituto.