Mundo

Da NBA ao ténis. Atletas recusam ir a jogo em protesto contra a violência policial nos EUA

Jogadoras da WNBA entraram em campo com t-shirts com sete buracos, a representar os sete tiros que a polícia disparou contra Jacob Blake.

Os protestos nos EUA contra a violência policial chegaram aos campos de basquetebol, de basebol, de ténis e de futebol.

O caso de Jacob Blake, afro-americano, que foi baleado por sete vezes pela polícia, reacendeu os protestos que duram há três meses, desde a morte de George Floyd.

Na NBA - Liga norte-americana de basquetebol - foram adiados três jogos, depois dos Milwaukee Bucks, equipa sediada no estado de Wisconsin - onde Jacob Blake foi baleado - se terem recusado a ir a jogo.

Na WNBA, as jogadoras entraram em campo com t-shirts com sete buracos, a representar os sete tiros que a polícia disparou contra Jacob Blake.

A tenista japonesa Naomi Osaka, número 10 do ranking WTA, que ia jogar esta quinta-feira a final do torneio em Cincinnati, escreveu no Twitter que se vai juntar ao protesto e não vai entrar em campo.

Veja também:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia