Mundo

Aquecimento global perto de ultrapassar limite definido por líderes mundiais

David McNew

Segundo um novo relatório das Nações Unidas.

O planeta está cada vez mais perto de ultrapassar o limite de aquecimento global estabelecido por líderes mundiais há cinco anos e pode ultrapassá-lo na próxima década, segundo um novo relatório das Nações Unidas divulgado esta quarta-feira.

Nos próximos cinco anos, o mundo tem quase uma hipótese em quatro de ter um ano quente, o bastante para colocar a temperatura global em 1,5 graus celsius acima dos tempos pré-industriais, indica a nova atualização científica apresentada pela Organização Meteorológica Mundial e grupos ambientalistas.

Esses 1,5 graus celsius são o mais rigoroso dos dois limites estabelecidos em 2015 pelos líderes mundiais no acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, para conter a subida da temperatura global.

Um relatório científico das Nações Unidas de 2018 prevê que um planeta mais quente do que o previsto ainda sobrevive, mas as possibilidades de ocorrerem problemas perigosos aumentam tremendamente.

O relatório surge numa altura em que o clima atípico assolou os Estados Unidos: calor escaldante, incêndios florestais recorde na Califórnia e mais duas tempestades no Atlântico que estabeleceram recordes para as primeiras tempestades da temporada.

No início deste ano, o Vale da Morte atingiu 54,4 graus Celsius e a Sibéria chegou aos 38 graus Celsius.

O aquecimento que já se verifica "aumentou as hipótese de fenómenos extremos sem precedentes na nossa experiência histórica", alertou o cientista climático da Universidade de Stanford, Noah Diffenbaugh, adiantando que o aquecimento global aumentou as hipóteses de se verificarem fenómenos extremos em mais de 80% do globo.

O planeta já aqueceu quase 1,1 graus celsius desde o final de 1800, e os últimos cinco anos estão a ser mais quentes do que os cinco anos anteriores, aponta o relatório.

"A aceleração pode ser temporária ou não. Há um aquecimento causado pelo homem e um aquecimento natural devido ao forte padrão climático do fenómeno `El Niño´ nos últimos cinco anos" referiu o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial, Petteri Taalas. "A probabilidade de aumento de 1,5 grau celsius está a crescer de ano para ano", disse Taalas à agência AP, advertindo que "é muito provável que aconteça na próxima década" se não houver uma mudança generalizada de comportamento.

Isso, previu, "é potencialmente mais rápido do que o que o relatório da ONU de 2018 descobriu: que o mundo provavelmente atingirá uma subida de 1,5 graus em algum momento entre 2030 e 2052".

O cientista climático considerou que o relatório é uma boa atualização àquilo que os cientistas já sabem, dizendo: É "perfeitamente claro que a rápida mudança climática continua e que o mundo está longe de cumprir as metas climáticas de Paris".

Alguns países, incluindo os Estados Unidos e muitos países europeus estão a reduzir as emissões de dióxido de carbono que retém o calor, mas Taalas frisou que o planeta está numa trajetória climática que será três graus mais quente em comparação com o final do século XIX.

"Isso estaria acima da meta menos rigorosa de dois graus celsius do acordo de Paris", vincou.

O último relatório anual e atualizado da ONU alude ainda aos problemas climáticos causados pela energia retirada do carvão, petróleo e gás. Além do aumento das temperaturas, provoca também a subida do nível do mar.

"Calor recorde, perda de gelo, incêndios florestais, inundações e secas continuam a piorar, afetando comunidades, nações e economias em todo o mundo", disse ainda o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, num prefácio.

O relatório sustenta ainda que a seca e as ondas de calor aumentaram substancialmente o risco de incêndios florestais, notando que as três maiores perdas económicas resultantes de incêndios florestais ocorreram nos últimos quatro anos.

As emissões de dióxido de carbono desceram entre 4% a 7% este ano devido à redução das viagens e atividades industriais durante a pandemia de covid-19, mas o gás - que retém o calor e permanece no ar muito tempo - fizeram os níveis na atmosfera continuar a subir, bem como o aquecimento, realçou Taalas.

Até data, este ano é o segundo mais quente já registado e tem 37% de hipóteses de bater o recorde global estabelecido em 2016, segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino