Mundo

Twitter e YouTube bloqueiam Steve Bannon por apelar à morte de altos funcionários

Alessandro Bianchi

Bannon foi conselheiro da campanha de Donald Trump em 2016.

O Twitter e o YouTube confirmaram esta sexta-feira que reprimiram Steve Bannon depois de apelos à morte de altos funcionários norte-americanos, incluindo Anthony Fauci, feitos por este antigo conselheiro do presidente norte-americano, Donald Trump.

A conta @WarRoomPandemic, em homenagem ao programa 'online' de Bannon, foi "permanentemente suspensa por violar as regras do Twitter, especialmente a política de glorificação de violência", relatou o Twitter em comunicado.

O YouTube retirou, pelas mesmas razões, o episódio do canal "Steve Bannon's War Room", que, no entanto, continua ativo e tem mais de 200.000 subscritores.

"Continuaremos vigilantes na implementação das nossas políticas no período pós-eleitoral", afirmou Alex Joseph, porta-voz do YouTube.

O canal não poderá publicar um novo vídeo por, pelo menos, uma semana, segundo a empresa.

Bannon ataca Fauci

Num episódio gravado na quinta-feira, Bannon atacou Fauci, diretor do Instituto de Doenças Infecciosas, responsável pela gestão da pandemia de covid-19, assim como o chefe do FBI, Christopher Wray, alegando querer colocar "as suas cabeças em estacas" e colocá-las de "cada lado da Casa Branca como um aviso aos burocratas federais".

Bannon, de 66 anos, foi um dos arquitetos da bem-sucedida campanha presidencial de Donald Trump em 2016, antes de ser dispensado pelo bilionário republicano.

Suspeito, juntamente com outras três pessoas, de desvio de fundos supostamente destinados à construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México, Bannon foi acusado e detido no final de agosto e rejeita essas acusações.