Mundo

ONU pede ao Governo brasileiro para reconhecer e combater o racismo estrutural

O Governo brasileiro recusa a existência de racismo e Bolsonaro criticou os manifestações contra a violência policial.

A Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU pediu ao Governo brasileiro para agir contra o racismo estrutural que afeta o país. Em causa está o assassinato de um cliente negro por seguranças de um supermercado.

A Polícia brasileira está a investigar o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, que foi espancado até à morte por dois seguranças num supermercado Carrefour, na cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

O caso, que aconteceu na véspera do Dia da Consciência Negra no Brasil, gerou uma série de manifestações em diversas cidades e em lojas da mesma rede de supermercados.

Várias autoridades têm repudiado o espancamento, mas o Governo brasileiro nega a existência de racismo no Brasil. O Presidente Bolsonaro aproveitou a reunião com o G20, que reúne as maiores economias do mundo, para deixar críticas às manifestações contra o racismo e a violência policial.

A porta-voz do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU afirmou que é responsabilidade do Governo brasileiro reconhecer a existência de racismo no país de forma a poder combater o problema. Ravina Shamdasani pediu ainda uma investigação independente e transparente ao caso da morte de João Freitas.

  • "Não sabia como ia acordar. Estava muito assustada"

    Coronavírus

    Rita, Filipa e Andreia conviveram de perto com o coronavírus, cada uma com experiências diferentes. O marido de Andreia esteve internado duas semanas com covid-19 e a filha também esteve infetada, em junho do ano passado. A Rita, a Filipa e a família de ambas estiveram infetadas no último mês. Os sintomas foram ligeiros, mas as preocupações iam além disso. À SIC Notícias, falaram sobre os receios que sentiram e de como ultrapassaram os dias difíceis.

    Exclusivo Online

    Rita Rogado