Mundo

Tropas dos EUA e do Japão em exercícios conjuntos a pensar na China

Spc. John Weaver / US Army

Manobras no arquipélago japonês focadas num possível ataque a ilhas remotas do território.

As Forças Armadas dos Estados Unidos e do Japão realizaram hoje uma demonstração de coordenação militar, com manobras no arquipélago japonês abertas à imprensa e focadas num possível ataque a ilhas remotas do território.

As manobras de Yama Sakura, que se realizam desde o dia 2 de dezembro na prefeitura japonesa de Kumamoto, no sudoeste do Japão, foram hoje abertas aos jornalistas radicados no país asiático, numa altura de crescente assertividade da China na região.

"Para uma região Indo-Pacífico livre e aberta, a melhoria das nossas capacidades operacionais conjuntas é uma tarefa urgente", disse o tenente-general Ryoji Takemoto, chefe da Divisão Oeste da secção terrestre das Forças de Autodefesa do Japão, citado pela agência de notícias japonesa Kyodo.

O exercício de simulação, que vai durar até 15 de dezembro, envolve a participação de 4.000 soldados japoneses e cerca de 1.000 soldados norte-americanos, incluindo membros de unidades remotas que se juntarão ao exercício via 'online'.

As manobras de Yama Sakura, que os dois exércitos realizam desde 1982, é um dos maiores exercícios conjuntos EUA - Japão.

As Forças Armadas dos dois países também iniciaram hoje mais um exercício militar, o Forest Light, que vai durar até 18 de dezembro, nas prefeituras de Niigata e Gunma, a noroeste de Tóquio, e durante o qual serão usados helicópteros CH-47 e MV. -22s.

O exercício "deve dar confiança não apenas às Forças de autodefesa japonesas e aos fuzileiros navais dos Estados Unidos, mas a todos os nossos parceiros e aliados na região, de que estamos prontos para trabalhar ombro a ombro contra qualquer adversário", disse Kyodo ao Tenente-Coronel Neil Berry dos EUA.

A divulgação mediática dos exercícios bilaterais ocorre num momento de crescente tensão, devido ao aumento da atividade da China na região e, mais especificamente, à disputa territorial entre Tóquio e Pequim em torno das Ilhas Senkaku (Diaoyu para a China).

Navios chineses entram com frequência nas águas deste arquipélago, administrado pelo Japão, mas reclamado pela China e Taiwan.