Mundo

Vários parlamentos foram alvo de ataques recentes pelo mundo

Darko Vojinovic

Antes da invasão que ocorreu na quarta-feira no Capitólio, em Washington, outros Parlamentos pelo mundo foram também alvo da ira popular, desde a Guatemala à Alemanha.

Os Parlamentos de vários países foram recentemente alvo da ira popular antes da invasão que ocorreu na quarta-feira no Capitólio, em Washington, por apoiantes do Presidente em exercício dos Estados Unidos, Donald Trump.

Cenas de caos e violência ocorreram na quarta-feira em Washington, incluindo a invasão do edifício do Congresso por apoiantes de Trump que se recusavam a reconhecer a vitória do candidato democrata, Joe Biden, na eleição presidencial de 3 de novembro.

Durante o cerco e a invasão do Capitólio, pelo menos quatro pessoas morreram, 14 polícias ficaram feridos, dois deles em estado grave, e foram efetuadas mais de meia centena de detenções, de acordo com a polícia local.

Outros países que integram a lista de ataques a Parlamentos:

Guatemala


Em 21 de novembro de 2020, centenas de guatemaltecos incendiaram o Parlamento para protestar contra o Orçamento de 2021 e exigiram a renúncia do Presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei.

Moises Castillo

Arménia


Na noite de 09 para 10 de novembro, manifestantes insatisfeitos com a assinatura de um cessar-fogo marcando a derrota da Arménia em Nagorno Karabakh invadiram a sede do Governo e do Parlamento, que saquearam parcialmente.

Dmitri Lovetsky

Quirguistão


Em 6 de outubro de 2020, manifestantes antigovernamentais invadiram o edifício que abriga o parlamento e a administração presidencial, para contestar os resultados das eleições parlamentares.

Os manifestantes libertaram da prisão vários políticos, incluindo o líder nacionalista e populista Sadyr Japarov, agora favorito na eleição presidencial marcada para domingo.

Vladimir Voronin

Alemanha


Em 29 de agosto de 2020, várias centenas de manifestantes contra o uso obrigatório de máscaras sanitárias no âmbito das medidas de contenção da covid-19 tentaram entrar à força no prédio do Reichstag, sede do Parlamento alemão, que foi mal bloqueado pelas forças de segurança.

As imagens criaram uma onda de choque na Alemanha, país que teve o seu Parlamento incendiado em 1933 pelos nazis.

Lukas Dubro

Líbano


Em 8 de agosto de 2020, quatro dias após uma explosão que devastou Beirute, milhares de manifestantes furiosos invadiram brevemente vários ministérios. Grupos de manifestantes tentaram cruzar as barreiras de segurança que protegiam o Parlamento e conflitos estouram entre a polícia e os manifestantes.

Hussein Malla

Mali


Em 10 de julho de 2020 no Mali, abalado por vários meses de manifestações antigovernamentais, os protestos contra o Presidente Ibrahim Boubacar Keita, em Bamako, provocaram pelo menos um morto, 20 feridos e ataques a edifícios públicos, incluindo a Assembleia nacional.

Ibrahim Boubacar Keita seria derrubado por um golpe militar em 18 de agosto.

Baba Ahmed

Sérvia


Em julho de 2020, a Sérvia experimentou vários dias de protestos violentos após o anúncio da reintegração do recolher obrigatório imposto devido às medidas de combate ao novo coronavírus. Em várias ocasiões, um grupo de manifestantes entrou à força no Parlamento.

Marko Drobnjakovic

Hong Kong


Em 1 de julho de 2019, manifestantes anti-Pequim ocuparam e saquearam o Parlamento de Hong Kong por várias horas, no aniversário da transferência da ilha para a China em 1997.

Esse ataque rompeu com o caráter até então pacífico de protestos de várias semanas desencadeados por um projeto de lei que permitia a extradição para a China continental.

Kin Cheung

  • Regresso ao futuro

    Opinião

    "Queremos assegurar que os novos líderes estão unidos por um conjunto de valores que torna claro que a liderança não é sobre ego" (David Simas, Presidente da Fundação Obama)

    Germano Almeida