Mundo

Homem sobrevive após 14 horas à deriva no Pacífico 

Peter Cziborra

Lituano caiu de um navio de carga, que o encontrou 14 horas depois.

Um engenheiro sobreviveu 14 horas à deriva no Oceano Pacífico, agarrado a "um pedaço de lixo", depois de ter caído de um navio de carga.

Vidam Perevertilov, que não tinha um colete salva-vidas, diz que conseguiu sobreviver ao nadar vários quilómetros para chegar a um "ponto negro". Este ponto era uma boia de pesca, à qual ficou agarrado até ser salvo.

"(Quando foi encontrado) parecia que tinha envelhecido 20 anos e estava muito cansado, mas vivo", disse o filho Marat.

De acordo com a BBC, o lituano de 52 anos é o engenheiro-chefe do navio Silver Supporter, que estava a fazer uma viagem de abastecimento entre o porto de Tauranga, na Nova Zelândia, e a ilha isolada de Pitcairn, quando o incidente aconteceu.

No dia 16 de fevereiro, por volta das 04:00, Vidam Perevertilov sentiu-se maldisposto e saiu para o deck para recuperar, mas acabou por cair do navio. O filho conta que o homem deverá ter desmaiado, pois não se lembra do que aconteceu. O navio seguiu viagem, sem ninguém a bordo ter percebido que Vidam Perevertilov tinha caído.

Depois de ficar à deriva até ao sol nascer, conseguiu encontrar a boia no horizonte e decidiu nadar até ela.

"Não estava ancorada a nada, era apenas um pedaço de lixo marinho", disse Marat.

A tripulação do navio só percebeu várias horas depois que o engenheiro tinha desaparecido. O navio voltou para trás e, após determinar aproximadamente a localização do homem, através dos seus registos de trabalho, encontrou o engenheiro desaparecido. O navio teve a ajuda de um avião da marinha francesa e dos serviços meteorológicos, que calcularam possíveis padrões de deriva.

"O seu desejo de sobreviver foi forte... Eu, provavelmente, teria logo afundado, mas ele mantém-se sempre em forma e saudável e é, por isso, que penso que conseguiu sobreviver", confessou o filho.

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo