Mundo

Líder da Coreia do Norte compara atual crise à "grande fome" dos anos 90

KCNA

É a primeira-vez que Kim Jong Un faz publicamente uma comparação com a crise de década de 90.

O líder norte-coreano Kim Jong Un pediu à população para lutar contra as graves dificuldades económicas que o país atravessa, comparando-as com a fome da década de 1990 que matou centenas de milhares de norte-coreanos.

Kim já tinha dito anteriormente que o país enfrenta a "pior situação de sempre" devido a vários fatores, incluindo a pandemia, as sanções impostas pelos EUA e grandes inundações no verão passado. É no entanto a primeira vez que faz publicamente uma comparação com a crise de década de 90..

Os grupos que fazem a monitorização da Coreia do Norte não detetaram no entanto nenhum sinal de fome ou desastre humanitário, revela a agência Associated Press.

Os comentários de Kim demonstram a sua preocupação com o que considera ser sérias dificuldades.

"Há muitos obstáculos e dificuldades à nossa frente e assim a nossa luta para cumprir as decisões do Oitavo Congresso do Partido não será um mar de rosas", disse Kim a membros do partido no poder na quinta-feira, de acordo com o Korean Central News Agência.

“Decidi pedir às organizações do WPK (Partido dos Trabalhadores da Coreia), incluindo o Comité Central e os secretários de todo o partido, para travar outra 'marcha árdua' para aliviar nosso povo das dificuldades”, disse Kim.

O termo “marcha árdua” é um eufemismo que os norte-coreanos usam para descrever a batalha contra a fome nos anos 1990, precipitada pela perda da ajuda soviética, décadas de má gestão e desastres naturais. O número exato de mortos não é claro, variando de centenas de milhares até 3 milhões. A Coreia do Norte dependeu da ajuda internacional durante anos para alimentar a população.

  • 2:19