Mundo

Violência está de regresso às ruas de Belfast

O frágil processo de paz na Irlanda do Norte volta a estar em risco.

A violência está de regresso às ruas de Belfast, a capital da Irlanda do Norte. Pela segunda noite consecutiva, grupos de jovens provocaram distúrbios e atacaram as forças policiais. Mais de duas décadas depois do histórico acordo de Sexta-feira Santa, o frágil processo de paz na Irlanda do Norte volta a estar em risco.

Os distúrbios das duas últimas madrugadas, nas áreas leais à Coroa Britânica, onde a população é maioritariamente protestante, provocaram dezenas de feridos, sobretudo entre as forças policiais.

A violência traz à memória a guerra civil não declarada que ao longo de trinta anos separou as duas principais comunidades: a católica, mais favorável a uma ligação à República da Irlanda, e a protestante, que maioritariamente desejava manter os laços com o Reino Unido.

Para muitos críticos do Brexit, os distúrbios refletem a instabilidade provocada pelo processo de saída da União Europeia e pelo acordo de saída negociado entre Londres e Bruxelas.

Sem um regresso à fronteira física entre as duas Irlandas, Boris Johnson negociou uma fronteira no Mar da Irlanda, o que foi visto por algumas forças radicais como uma separação da Irlanda do Norte do Reino Unido e uma cedência aos Republicanos do Sinn Féin.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros