Mundo

Twitter pede aos utilizadores para serem simpáticos e pensarem duas vezes antes de responder

Funcionalidade para garantir maior controlo sobre comportamento abusivos online.

O Twitter solicita agora aos utilizadores que pensem bem antes de responderem a algum outro tweet de modo a não ser "prejudicial ou ofensivo".

A rede social, que tem enfrentado críticas sobre comportamentos abusivos dos utilizadores, está a testar a funcionalidade há cerca de um ano e refere que as respostas ofensivas estão a reduzir.

Na quarta-feira, a empresa disse que a funcionalidade vai estar disponível nas contas em inglês que usam o Twitter na Apple e no Android.

No entanto, ainda é possível trocar insultos entre amigos.

Segundo o Twitter, a funcionalidade é projetada para considerar a natureza da relação entre as contas que publicam o tweet e a conta que responde.

"Se duas contas se seguem e respondem uma à outra com frequência, há uma probabilidade maior de que os utilizadores entendam o tom da comunicação".

Redes sociais controlam comportamento dos utilizadores

As plataformas online têm sido confrontadas nos últimos anos com a necessidade de controlar conteúdo ofensivo, abuso e assédio..

As estatísticas mais recentes do Twitter, de janeiro a junho do ano passado, mostram que a plataforma removeu conteúdo potencialmente ofensivo publicado por 1,9 milhão de contas e suspendeu 925.700 contas por violar as regras do Twitter.

O debate sobre a moderação de conteúdos tornou-se recentemente mais intenso por causa de decisões tomadas contra entidades públicas, nomeadamente contra o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Trump foi banido de várias plataformas, incluindo do Twitter e do Facebook, após a violência no Capitólio a 6 de janeiro.

O conselho de supervisão do Facebook manteve a decisão na quarta-feira, mas criticou a plataforma por tornar a suspensão indefinida e deu-lhe seis meses para determinar uma resposta proporcional.

Embora muitos acreditem que as plataformas devam ser mais agressivas no controlo de abusos online e informações falsas, muitos veem a proibição de Trump como um ato de censura política.