Mundo

Aumentam as críticas europeias e chinesas ao acordo de segurança entre EUA, Reino Unido e Austrália

França critica duramente o pacto.

Multiplicam-se as críticas francesas, europeias e chinesas ao acordo de segurança para a região do Indo-Pacífico. A parceria militar com os Estados Unidos e o Reino Unidos vai permitir à Austrália ter submarinos nucleares.

Nos últimos meses, aumentou a tensão militar nos mares do sul da China. Multiplicaram-se os incidentes entre as marinhas norte-americana e chinesa.

Pouco a pouco, nos últimos anos e sem nunca passar a vias de facto, Pequim ganhou influência na região. Ocupou e alargou artificialmente ilhéus e ilhas da região do Indo-Pacífico.

Contra as pretensões territoriais chinesas, Washington abriu agora mão de tecnologia militar exclusiva e de uma aliança tradicional a dois com Londres.

A Administração Biden anunciou o AUKUS. A parceria vai permitir à Austrália ter submarinos de propulsão nuclear que patrulhem o Índico e o Pacífico.

O pacto foi de imediato criticado pela China. Mas as maiores críticas são de Paris. Com o acordo, a França perdeu um contrato-promessa de 30 mil milhões de euros assinado com Camberra para construir 12 submarinos.

Leia mais: