Mundo

Milhares de migrantes em condições precárias na fronteira dos EUA com o México 

Agrava-se a falta de comida e água potável. 

Milhares de migrantes continuam a amontoar-se em condições precárias sob uma ponte do Texas, que liga os Estados Unidos ao México. As autoridades do Texas dizem não ter meios para lidar com a invasão.

O acampamento cresceu a uma velocidade vertiginosa. No início da semana eram algumas centenas de pessoas. Agora ultrapassam as 10 mil. Famílias inteiras abrigadas junto à ponte que atravessa o Rio Grande, entre o México e os Estados Unidos.

As autoridades fronteiriças asseguram estar já a providenciar água potável, toalhas e sanitários portáteis para mitigar os riscos de saúde pública, mas os próprios migrantes parecem circular livremente entre o México e os Estados Unidos à procura de mantimentos. A maioria são haitianos que aguardavam no México pelo processamento de vistos.

Crise no Haiti

Depois do sismo de 2010 que fez 200 mil mortos, muitos haitianos foram acolhidos por países da América central, mas, sem trabalho, perseguem também eles, o sonho americano.

Depois da crise política que se seguiu ao assassinato do Presidente do Haiti, em julho deste ano, novos migrantes tentaram a sorte. Muitos percorreram milhares de quilómetros a pé, atravessando as selvas da Colômbia e Panamá e não admitem voltar para trás.

Crise migratória

A crise na fronteira sul dos Estados Unidos agudizou-se nos últimos meses e o governador do Texas deu indicação às autoridades locais para que alguns migrantes fossem detidos sob a acusação de invasão de propriedade.

Esta nova vaga migratória surpreendeu as autoridades fronteiriças, que dizem não ter meios suficientes para processar os pedidos de asilo e repatriar quem não se enquadra no perfil.

Face aos números, 1 milhão e meio de migrantes que entraram no país pelo México, a administração Biden está a ser cada vez mais pressionada pelos Republicanos, mas também por alguns democratas, ainda que tenha recuado na promessa de revogar algumas das políticas migratórias de Donald Trump.

Leia mais: